O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) Guilherme Boulos (PSOL), pré-candidato a deputado federal, foi eleito como presidente da federação partidária formada por PSOL e Rede Sustentabilidade. Ambas as legendas devem apoiar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência.

O PSOL, maior partido da federação, tinha a prerrogativa de escolher o presidente. Após processo interno, foi feita a escolha pelo nome do líder do MTST.

A coligação PSOL-Rede foi firmada em 12 de março e a expectativa é que a união dos partidos siga a posição da legenda de Boulos, que anunciou apoio à pré-candidatura de Lula ao Palácio do Planalto. A oficialização do apoio ocorreu em 30 de abril.

O pedido de federação já foi assinado e deve ser encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nos próximos dias.

Segundo fontes afirmaram à CNN, a escolha reforça a preferência por Boulos dentro do partido. O pré-candidato a deputado federal também teve participação decisiva na escolha da legenda de apoiar a pré-candidatura de Lula.

CNN também procurou a Rede, mas ainda não teve retorno. Em 27 de abril, a legenda publicou uma resolução em que informa que aprova a federação com o PSOL. A parceria, de acordo com o documento, é para priorizar as candidaturas de deputados federais, além de informar que a Rede não terá candidatura própria para a corrida ao Planalto.

A resolução também proíbe que membros do partido deem apoio “em qualquer nível eleitoral às forças políticas conservadoras, fascistas, de extrema direita, corruptas e patrimonialistas de conteúdo antivida e antidemocráticas”. Além disso, o documento autoriza os integrantes da legenda a manifestarem apoio e se envolverem nas candidaturas de Lula ou de Ciro Gomes (PDT) para a Presidência.

Ambos os partidos participam da primeira reunião da chapa Lula-Alckmin que ocorre nesta segunda-feira (23), em São Paulo.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

 

  • CNN