O cardeal Angelo Sodano morreu nesta sexta-feira (27), aos 94 anos, em Roma, segundo o Vatican News.

A agência de notícias do Vaticano disse que o cardeal havia sido hospitalizado em razão de uma pneumonia no início do mês, após testar positivo para Covid-19. Ele estava com a saúde debilitada há algum tempo.

Em um telegrama enviado à irmã do cardeal no sábado (28), o Papa Francisco expressou suas condolências.

“Lembro-me do seu trabalho diligente ao lado de tantos de meus antecessores, que lhe confiaram importantes responsabilidades na diplomacia do Vaticano, até o delicado cargo de secretário de Estado”, disse Francisco.

Sodano era uma presença de longa data no Vaticano, tendo servido a dois papas como secretário de Estado e como decano do Colégio dos Cardeais. Ele permaneceu influente mesmo na aposentadoria.

Ele enfrentou severas críticas durante a crise de abuso sexual da Igreja. Em 2005, durante uma reunião com a então secretária de Estado norte-americana Condoleezza Rice, ele teria pedido que ela interviesse em um processo de abuso sexual no estado de Kentucky, que nomeou o Vaticano como réu. Mas ela recusou, disse o National Catholic Reporter na época.

Sodano foi repetidamente pressionado durante os anos que se seguiram por minimizar o abuso sexual ou bloquear investigações sobre o escândalo.

  • CNN