Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações é o órgão mais afetado, com R$ 2,5 bilhões bloqueados

O governo federal subiu para R$ 8,7 bilhões o bloqueio no Orçamento para cumprir a regra do teto de gastos (norma que limita o crescimento das despesas à inflação). Antes, a previsão era de retenção de R$ 8,2 bilhões de gastos. O motivo do aumento foi a reserva de R$ 463 milhões para recompor as contas do Ministério da Economia.

O anúncio não contempla a possibilidade de reajuste para os funcionários públicos. O presidente Jair Bolsonaro (PL) tem até o fim do mês de junho para decidir se vai ou não dar o aumento salarial para as categorias. O chefe do Executivo prometeu dar um aumento substancial às carreiras policiais, o que motivou greves em outros grupos de funcionários.

Dentro do bloqueio, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações é o órgão mais afetado, com R$ 2,5 bilhões retidos.

Em seguida, aparece uma reserva de contingência de R$ 1,7 bilhão (o dinheiro inicialmente era para reformulação de carreiras policiais).

A lista de afetados segue com os Ministérios da Educação (R$ 1,6 bilhão) e da Saúde (R$ 1,3 bilhão).

PARA ONDE VAI O DINHEIRO

O bloqueio é motivado porque o governo prevê gastos maiores em 2022 com:

  • sentenças judiciais: R$ 4,8 bilhões;
  • gastos com o Plano Safra: R$ 2,3 bilhões;
  • eventos climáticos adversos: R$ 2 bilhões;
  • despesas do Ministério da Economia: R$ 463 milhões.

Por outro lado, a União projeta redução de outras despesas que somam R$ 900 milhões.

 

PODER 360