Posto de combustível

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Derivados de Petróleo na Paraíba (Sindipetro-PB) revelou que as companhias distribuidoras ainda não fizeram o repasse integral da redução da alíquota do ICMS sobre os combustíveis, que entrou em vigor desde a última sexta-feira (1º). Com a medida, o imposto sobre o preço da gasolina, por exemplo, passou de 29% para 18%. Para o presidente do sindicato Bruno Agra, os postos aguardam que as distribuidoras repassem integralmente os novos preços.

A entidade cobrou transparência por parte das distribuidoras em relação aos valores com base nos atuais índices praticados pelos governos federal e estadual. Na nota, o sindicato lembra que a falta do repasse tem gerado muitas cobranças aos postos revendedores. Por outro lado, registra que no Brasil o mercado é livre, bem como os preços praticados em todos os elos da cadeia, produtores, distribuidores e postos revendedores. Ainda na nota, o Sindipetro-PB lembra que são as distribuidoras as responsáveis pelo repasse das reduções dos impostos federais e estaduais.

Em João Pessoa, sete postos foram autuados e cinco notificados por não reduzirem os preços dos combustíveis após a redução do ICMS. Em Campina Grande a queda já chega a R$ 0,90 e deve diminuir ainda mais.

Bruno garantiu que a redução será de pelo menos R$ 1,70 por litro e vai ser fruto não somente da queda no ICMS, mas também porque o Governo Federal zerou os tributos federais para esse setor.

“Vai ter uma redução no preço do diesel, porque a lei complementar aprovada prevê mudanças na base de cálculo e determina que os governos estaduais façam uma média dos últimos 60 meses”, explicou.

Bruno falou também que é esperada uma forte queda no valor do etanol. “Houve redução no ICMS para o etanol de 27% para 14%, então vai baixar também. A gente está estimando que o litro fique entre R$ 4,00 e R$ 4,50” explicou.

Confira a nota:

Prezados Revendedores, Revendedoras e a Sociedade em Geral,

Temos acompanhado os esforços dos governos Federal estadual na equalização da alta carga tributária sobre os combustíveis. Da parte dos postos, por intermédio do seu sindicato, temos orientado à revenda, para que o empresário varejista, que representa o último e o mais visível elo da cadeia de abastecimento, possa tomar suas decisões de forma rápida, assertiva e segura, fazendo com que todo este esforço governamental vire realidade, nas bombas de combustíveis de todo o estado da Paraíba.

Desde a última sexta-feira, dia 1º de julho, o Sindipetro-PB tem acompanhado as companhias distribuidoras repassado, de forma gradativa, as referidas reduções aos seus revendedores, contudo esta demora no repasse tem gerado muitas cobranças e desconforto enorme aos postos, já que os consumidores, na expectativa de pagar por um combustível a preço mais razoável, ainda não conseguiram até aqui sentir todo esse esforço na prática.

O Sindipetro-PB lembra que são as distribuidoras responsáveis pelo repasse das reduções dos impostos federais e estaduais, a exemplo do ICMS. Em virtude disso, a entidade apela aos órgãos fiscalizadores, para que cobrem com urgência dessas companhias o repasse aos postos essas reduções, para assim chegar ao consumidor.