O presidente Jair Bolsonaro (PL) se pronunciou pelo Twitter, na noite deste domingo (10.jul), sobre o assassinato do militante petista Marcelo Arruda. O chefe do Executivo federal republicou uma mensagem de 2018, na qual diz dispensar o “apoio de quem pratica violência contra opositores”, e atacou a esquerda, atribuindo apenas a esse campo do espectro político práticas violentas.

“Dispensamos qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores. A esse tipo de gente, peço que por coerência mude de lado e apoie a esquerda, que acumula um histórico inegável de episódios violentos”, escreveu Bolsonaro. Na sequência, pontuou: “É o lado de lá que dá facada, que cospe, que destrói patrimônio, que solta rojão em cinegrafista, que protege terroristas internacionais, que desumaniza pessoas com rótulos e pede fogo nelas, que invade fazendas e mata animais, que empurra um senhor num caminhão em movimento”.

Ainda de acordo com ele, “falar que não são esses e muitos outros atos violentos, mas frases descontextualizadas que incentivam a violência é atentar contra a inteligência das pessoas”. “Nem a pior, nem a mais mal utilizada força de expressão, será mais grave do que fatos concretos e recorrentes”.

Por fim, na série de tweets, Bolsonaro expressou desejo de que as autoridades apurem de forma séria o assassinato de Marcelo e tomem as providências cabíveis contra o responsável e contra “caluniadores que agem como urubus” para tentar prejudicá-lo a todo momento.

Na tarde deste domingo (10.jul), a delegada Iane Cardoso afirmou que Jorge José Guaranho, que assassinou o militante petista, não morreu e está em estado estável no Hospital Municipal Padre Germano Lauck em Foz do Iguaçu, no Paraná.