O presidente Jair Bolsonaro (PL) deve ir ainda nesta semana a Juiz de Fora (MG) pela 1ª vez desde que sofreu uma facada na cidade durante a campanha eleitoral de 2018. A viagem está prevista para 6ª feira (15.jul.2022). A aprovação da PEC das bondades na Câmara e a promulgação da proposta vão determinar o itinerário de Bolsonaro.

O chefe do Executivo quer acompanhar a votação da PEC, que está na pauta de votação dos deputados nesta 3ª (12.jul.2022). A proposta é a principal aposta de Bolsonaro para aumentar suas possibilidades de reeleição. Se for aprovada, a viagem de Bolsonaro para Juiz de Fora na 6ª feira está confirmada.

Há um choque de agendas. Tem a questão da votação da PEC aqui e o presidente tem que acompanhar. Ela sendo votada hoje, [é] promulgada hoje ou amanhã. Já é a nossa intenção. Aí ele fica liberado para poder viajar como tinha sido programado antes”, disse o senador Carlos Viana (PL-MG) para jornalistas na saída do Palácio do Planalto.

O senador é pré-candidato ao governo de Minas Gerais e deve acompanhar Bolsonaro nos compromissos em Juiz de Fora. As atividades incluem a realização de uma motociata e a participação na Convenção da Igreja Assembleia de Deus Madureira.

Depois de sair do Planalto, Viana confirmou a data da viagem do presidente em suas redes sociais. Na semana passada, a viagem havia sido adiada. Aliado de Bolsonaro, o deputado estadual Bruno Engler (PL) anunciou em seu perfil no Twitter o cancelamento da visita. Mas, para apoiadores, Bolsonaro afirmou que deve visitar a cidade ainda em julho.

O chefe do Executivo costuma dizer que “nasceu de novo” em Juiz de Fora, depois da facada sofrida no local.

Campanha

Segundo Viana, o presidente definiu o apoio a sua candidatura para o governo. Bolsonaro cogitou o apoio à reeleição de Romeu Zema (Novo), mas pesou na decisão o fato de o governador apoiar a candidatura própria de seu partido à Presidência.

Na semana passada, Bolsonaro se reuniu com Zema na 2ª feira (4.jul) e dois dias depois com Viana. Provável vice Bolsonaro, o general Braga Netto também participou do encontro com o senador. Em Minas Gerais, o presidente também deve apoiar a eleição de Marcelo Álvaro Antônio (PL), deputado e ex-ministro do Turismo. Ele é pré-candidato ao Senado.

Nós saímos daqui hoje já com a preocupação de fazermos o lançamento da pré-candidatura ao governo de Minas. Nós já estamos buscando uma data pra que isso possa acontecer e o presidente vá participar e [possamos] abrir Minas Gerais definitivamente como palanque”, afirmou Viana, que estava acompanhado de Marcelo Álvaro Antônio.

Minas Gerais é 2º maior colégio eleitoral do país, mas o seu palanque ainda não está totalmente definido. A chapa de Viana ainda não tem o nome de um vice escolhido. “A questão do vice nós já começamos a lidar e a questão dos outros partidos que podem compor. De agora para frente vai ter mais rapidez”, disse o senador.

Facada

Bolsonaro foi esfaqueado quando cumpria agenda eleitoral em Juiz de Fora (MG), em 6 de setembro de 2018. O autor do ataque, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso em flagrante.

Nesta semana, o presidente voltou a falar sobre o episódio ao comentar a morte do guarda municipal Marcelo Aloizio Arruda, petista assassinado a tiros, em Foz do Iguaçu (PR), pelo policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho. O autor dos disparos se identifica nas redes sociais como apoiador de Bolsonaro.

Quando o Adélio me esfaqueou ninguém falou que ele era filiado ao Psol. Não, não. Ninguém falou”, disse Bolsonaro na 2ª feira (11.jul). Adélio foi filiado ao Psol entre 2007 e 2014. Apesar da fala do presidente, o fato foi divulgado em reportagens da época da facada.

Poder 360