A Câmara dos Deputados retomou nesta 4ª feira (13.jul.2022) votação da PEC das bondades, depois que o presidente da Casa Arthur Lira (PP-AL) fez um novo ato da Mesa da Câmara liberando a votação 100% remota. A votação em 2° turno foi suspensa na noite de 3ª feira (12.jul) depois de uma falha no sistema de contagem de votos.

Lira acatou o pedido da oposição para encerrar a sessão da PEC das bondades. A votação remota foi viabilizada para garantir que a presença para a votação da PEC seja mantida e o governo não corra risco maior de derrota.

Assista ao vivo:

“Para não causar nenhum tipo de tumulto, eu vou acatar a questão de ordem de vossas excelências, vou ler um ato da mesa que tornará a sessão de hoje, em respeito mais uma vez a mais de 30 parlamentares que não estão em Brasília, estão em missão oficial, deram presença e estão fora, a manutenção do seu direito a voto, a mesa funcionará na próxima sessão que será chamada após o encerramento desta, de maneira completamente virtual hoje, amanhã e 6ª feira.”, disse Lira.

O regimento interno da Câmara dos Deputados, permite que uma sessão seja suspensa pelo “prazo máximo” de uma hora.

“Art. 70. O Presidente poderá suspender a sessão por uma única vez, pelo prazo máximo de uma hora, findo o qual considerar-se-á encerrada. (Artigo com redação dada pela Resolução nº 21, de 2021).”

SEM INTERNET

Arthur Lira disse durante a sessão da 3ª feira (12.jul) que 2 servidores de internet caíram ou “foram cortados automaticamente no mesmo período”. A instabilidade no servidor impossibilitou a votação remota dos deputados.

Por causa da falha técnica, o presidente da Câmara afirmou que iria prestar uma queixa formal a Polícia Federal já que “isso é interferir no trabalho livre e autônomo do legislativo”.

Apesar da declaração, Lira disse que não há fraude na votação do painel. “É a 3ª PEC que esse sistema dá inconsistências quando o tema é polêmico. Eu não quero levantar nenhum tipo de possibilidade”, disse.

 

Poder 360