Graças a um trabalho da equipe do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia (Labap) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), foi possível a descoberta de mais um sítio arqueológico de arte rupestre na Paraíba. A descoberta ocorreu no dia 5 de julho, no Sítio Tanques, localizado na zona rural de Frei Martinho, Seridó do estado.

Segundo o paleontólogo e arqueólogo Juvandi de Souza, que está à frente do Labap/UEPB, declarou que as inscrições encontradas são de povos coletores, caçadores e pescadores da pré-história. Para ele, as gravuras rupestres têm 5 mil anos aproximadamente, conforme estima o especialista.

“Para a arqueologia, o encontro desse novo sítio arqueológico mostra a intensa ocupação do que hoje é a Paraíba no passado. Mais uma importante fonte de pesquisa sobre a pré-história do estado. É algo notável. Uma quantidade gigantesca de ocorrências arqueológicas e também paleontológicas das quais, aos poucos, a população vai tomando conhecimento”, disse.

Ao avaliar os dados, o arqueólogo explicou que ainda é cedo para se falar sobre quais povos passaram por aqui e deixaram esses rastros históricos. Segundo ele, é preciso encontrar os aldeamentos, realizar escavações para ter uma ideia mais geral sobre esses grupos humanos.

Do Sítio Tanques, em Frei Martinho, a equipe realizou um salvamento paleontológico no município de Baraúna, Seridó oriental da Paraíba. O processo foi devidamente autorizado pela Agência Nacional de Mineração. E no final do mês, com pesquisadores da Universidade Federal do Ceará, serão retomadas as atividades de pesquisas em um cemitério indígena no município de Caraúbas.

“Pedimos à população que não deprede esses locais. Sítios arqueológicos contam a história do Brasil, aquela que ainda não consta nos livros de história. Em alguns deles, encontramos pichações”, acrescentou o arqueólogo e paleontólogo.

Vejam mais imagens:

 

 

PB Agora com UEPB