O Partido dos Trabalhadores (PT) realiza nesta quinta-feira (21), em São Paulo, sua convenção nacional para oficializar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República. O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) será o vice em sua chapa. O primeiro turno está marcado para 2 de outubro.

O evento está previsto para ocorrer em um hotel da capital paulista às 9h30, sem a presença de Lula, que cumpre agenda no Nordeste. Depois, às 11h30, será realizado um encontro da federação formada pelo PT, PCdoB e PV. A candidatura de Lula também tem o apoio do PSB, do Solidariedade e da federação formada pelo PSOL e pela Rede.

O nome de Alckmin como vice será oficializado em convenção do PSB marcada para 29 de julho, em Brasília.

Datas e locais das convenções dos presidenciáveis, segundo os partidos

/ Arte CNN

É a sexta vez que o petista se candidata à Presidência. Em 2018, ele estava preso em Curitiba e foi impedido de concorrer por decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por ter sido condenado em segunda instância sob acusação de corrupção no âmbito da Operação Lava Jato. As condenações foram posteriormente anuladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e Lula voltou a se tornar elegível.

Lula foi presidente do Brasil por dois mandatos seguidos, de 2003 a 2010, e foi sucedido por sua ex-ministra e colega de partido Dilma Rousseff.

Segundo dados do agregador de pesquisas CNN/Instituto Locomotiva, Lula lidera as pesquisas de intenção de voto com 46%. Jair Bolsonaro (PL) aparece na sequência, com 26%.

Outros candidatos

Ciro Gomes (PDT) foi o primeiro dos pré-candidatos a oficializar sua candidatura para a corrida ao Palácio do Planalto, na quarta-feira (20).

No sábado (23) será a vez de André Janones, do Avante. O partido irá realizar sua convenção em Belo Horizonte; no domingo (24), o PL confirmará a candidatura à reeleição de Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro.

Além deles, Leonardo Péricles (UP) deverá ser oficializado também no dia 24; Simone Tebet (MDB), no dia 27; Felipe d’Ávila (Novo), Pablo Marçal (Pros) e Sofia Manzano (PCB), no dia 30; Vera Lúcia (PSTU) e José Maria Eymael (DC), no dia 31; e Luciano Bivar (União Brasil), em 5 de agosto.

 

CNN