A cantora Anitta recebeu alta médica, nesta segunda-feira, 25, após realizar uma cirurgia para o tratamento de endometriose, que é uma “condição inflamatória originada pelo crescimento anormal de células do endométrio fora do útero”. A artista estava internada desde 19 julho. Em nota, o Hospital Vila Nova Star informou que a decisão médica ocorreu após reavaliação do quadro clínico de Anitta, realizada nesta tarde. De acordo com a unidade de saúde, a cantora recebeu todas as orientações necessárias para a recuperação pós-alta hospitalar e seguirá sendo monitorada por uma equipe da unidade.

Na quarta-feira, 20, a cantora passou por uma cirurgia minimamente invasiva, que durou cerca de quatro horas. Na ocasião, o hospital disse que Anitta reagia bem ao procedimento. A previsão era que Anitta pudesse ter alta do hospital no fim de semana. Nesta segunda-feira, 25, a unidade de saúde já havia informado que a artista iria permanecer internada. Contudo, Anitta fez uma bateria de exames e foi liberada.

A endometriose, doença que acomete 6,5 milhões de mulheres no Brasil, ganhou repercussão nos últimos dias depois que a cantora revelou ter recebido diagnóstico. O dado sobre a ocorrência entre brasileiras faz parte de um levantamento feito em 2020 pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). No mundo, são 176 milhões de casos.Endometriose é uma condição inflamatória crônica originada pelo crescimento anormal de células do endométrio fora do útero. Dores fortes em cólica no período menstrual, até mesmo com dores incapacitantes, são alguns dos sintomas mais comuns. Também são comuns dores nas relações sexuais.

Jovem Pan