O crescente surto de varíola dos macacos está despertando a preocupação de que o vírus possa se espalhar entre um grupo particularmente propenso a transmitir infecções contagiosas: as crianças.

Especialistas da Organização Mundial da Saúde disseram nesta semana que estão observando o potencial de propagação entre as crianças “extremamente de perto”. Até o momento, mais de 80 crianças em vários países contraíram varíola, em grande parte por meio de contatos domésticos, disse à agência em uma entrevista coletiva .

Embora essa seja uma pequena fração dos mais de 18 mil casos de varíola em todo o mundo – com a maioria concentrada entre homens que fazem sexo com homens – a perspectiva de transmissão comunitária está aumentando o espectro de que o vírus pode se estabelecer em outras populações, como mulheres e crianças. A rápida disseminação da doença levou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, a declarar o surto uma emergência de saúde pública de interesse internacional.
“É provável que vejamos um número crescente de casos transmitidos em outros grupos sociais e ambientes”, disse Jay Varma, professor de ciências da saúde populacional da Weill Cornell Medicine, em Nova York.

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Qualquer pessoa pode contrair o vírus, que é caracterizado por feridas elevadas e às vezes causa inchaço dos gânglios linfáticos ou outros sintomas semelhantes aos da gripe. Embora seu principal modo de transmissão tenha sido as relações sexuais, pode se espalhar por outras formas de contato. Uma vez que alguém o tenha em uma casa, é especialmente fácil para o vírus infectar outras pessoas compartilhando roupas ou toalhas, tocando feridas ou contato prolongado de pele com pele, como abraços.

As crianças, que interagem constantemente nas escolas e creches, podem ser especialmente vulneráveis. Do jeito que está, eles pegam dezenas de vírus a cada ano, incluindo erupções cutâneas contagiosas, como a doença da mão, provocando algum medo de que, se a varíola começar a se espalhar em ambientes centrados nas crianças, pode ser difícil de conter.

Carta Capital