Não é apenas a entressafra que explica a inflação dos lácteos no Brasil. Apesar de o litro de leite UHT ter atingido o valor de até R$ 8 em alguns estabelecimentos, o produto já seguia em elevação nos últimos meses por causa da chegada do inverno e da redução das chuvas em boa parte das regiões produtoras. Segundo Glauco Carvalho, pesquisador da Embrapa Gado de Leite, a principal causa é a menor oferta do produto nos laticínios, o que se deve principalmente à elevação dos custos de produção.

A entressafra tem início em abril, mas, segundo o pesquisador, “a oferta de leite já vinha fraca desde de meados do ano passado e acentuou nos primeiros meses de 2022”. Além disso, a entressafra acentuou a escassez de leite no mercado. Nos últimos anos, houve alta de 62% nos custos para o produtor, gerando elevação de 43% no preço ao consumidor.

Segundo Carvalho, o preço, mesmo em alta, não está sendo suficiente para cobrir os custos, o que piorou a rentabilidade nas fazendas e levou o produtor a diminuir a oferta, reduzindo a alimentação das vacas.

Em pesquisa referente à compra de leite pelos laticínios no 1º trimestre, os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostraram queda de 10,51% em comparação aos 3 primeiros meses de 2021 (tabela abaixo). Foi a 4ª queda trimestral consecutiva e a maior em uma avaliação trimestral desde o início da pesquisa, em 1997.

“O volume de leite adquirido no 1º trimestre deste ano foi o equivalente ao observado em 2017, o que significa que a indústria regrediu 5 anos em termos de captação de leite”, afirma Carvalho.

IBGE/Embrapa Gado de Leite

Variação do volume de leite adquirido pelos laticínios: trimestre contra o mesmo trimestre do ano anterior (%)

A expectativa é que os números do 2º trimestre, que coincide com o início da entressafra, repitam o cenário de escassez do 1º. Mas, no 2º semestre, a perspectiva é de algum crescimento na oferta, motivada pelo início do período de chuvas e também por uma recuperação nas margens de lucro do produtor.

“Os preços ao produtor estão em alta e isso vai dar incentivo para melhorar a produção”, disse Carvalho. No entanto, o pesquisador afirma que muitos produtores saíram da atividade e outros destinaram animais para o abate. “O impacto disso na recuperação da oferta é difícil quantificar”, conclui.

A escalada dos custos vem desde 2021, impactando a rentabilidade dos produtores. De janeiro a junho deste ano, o preço médio do leite pago ao produtor, deflacionado pelo custo de produção, recuou 3,8% comparado ao mesmo período de 2021.

Do rol dos insumos que mais subiram de preço estão os fertilizantes e os combustíveis, afetados pela guerra Rússia-Ucrânia. Até o frete marítimo internacional, também em alta, entram nessa conta.

Mas o insumo que mais tem pesado no caixa do produtor é o volumoso, que registrou elevação de 51% na comparação de maio deste ano com o mesmo mês de 2021. “Produzir silagem e adubar pastagens está bem mais caro”, disse José Luiz Bellini Leite, analista da Embrapa.

A ureia no mercado brasileiro passou de R$ 2.300 por tonelada, no início do ano passado, para R$ 6.300 em março de 2022. O cloreto de potássio foi de R$ 2.000/t para R$ 6.000/t. Esses insumos tiveram os preços afetados diretamente pelo conflito no leste da Europa, que tem a Rússia como a principal exportadora.

PRODUTO SAZONAL

Mas a entressafra, como de costume, também carrega parte da culpa pela alta dos lácteos. O leite no Brasil é um produto sazonal, com períodos claros de safra e entressafra. A diminuição da oferta por causa da sazonalidade explica o aumento do preço pago pelo consumidor em parte do outono/inverno.

No lado contrário, vem a regressão do preço com o crescimento da oferta no período de primavera/verão. Os dados do IPCA-15/IBGE, de novembro a janeiro do ano passado, em plena safra, mostram que os produtos lácteos ao consumidor tiveram queda de preço, o que é normal. Mas a alta das commodities passou a reverter a tendência de preços baixos a partir de fevereiro, em plena safra.

Segundo Paulo do Carmo Martins, pesquisador da Embrapa, a demanda por lácteos também costuma apresentar oscilações ao longo do ano, o que resulta em um setor com preços tradicionalmente voláteis.

“Em alguns períodos, são os produtores que reclamam dos preços baixos pagos pelos laticínios. Em outros, são os consumidores que ficam insatisfeitos com o valor que estão pagando pelos produtos lácteos”, diz. Para Martins, esse fato passa a impressão de que o leite é sempre um problema na cesta de alimentos.

Com a volta da inflação a 2 dígitos, as atenções se voltam para os gêneros alimentícios, que tem maior impacto nas populações de baixa renda e o leite assume seu protagonismo, mas segundo Martins, a alta da inflação tem se mostrado um fenômeno mundial.

“Esse é o reflexo do desarranjo das cadeias produtivas globais, impactadas pela descontinuidade na produção e no transporte durante a pandemia”, conclui.

O que confirma a avaliação do pesquisador é o índice GDT (Global Dairy Trade, plataforma mundial que realiza leilões de lácteos), que recuou um pouco, mas segue em patamares elevados (US$ 4.600/t) desde que atingiu seu maior valor em fevereiro: US$ 4.630/t. Os índices do GDT mostram que, em 2 anos, a tonelada do leite em pó integral oscilou de US$ 1.900 a US$ 5.300.

Para analistas do Cileite/Embrapa (Centro de Inteligência do Leite), a crise econômica, que reduziu o poder de compra da população, está evitando que a crise de oferta torne os preços dos lácteos mais elevados. Ainda assim, o leite não pode ser visto como “maior vilão” da inflação de alimentos. Segundo dados do IPCA, entre os produtos de proteína animal (carne, frango, ovos e lácteos), leite e derivados são os que apresentaram menor alta nestes 2 anos (gráfico abaixo).

Para os pesquisadores do Cileite/Embrapa, o desafio dos produtores de leite na gestão de custo nas fazendas tem sido gigante. A queda observada na oferta do produto ilustra bem isso. O resultado é a pressão pela modernização do setor.

“No rastro desse momento de adversidade, tem ocorrido um processo mais acelerado de consolidação no setor, com modernização tecnológica da produção, exigência de maiores investimentos e pressão por economia de escala”, afirma Bellini Leite.

Cileite/Embrapa com base no IPCA/IBGE

Variação de preços do grupo Alimentação e de alimentos à base de proteína animal, durante a pandemia (abri/2020 a abr/22)


Com informações dEmbrapa.

 

PODER 360