A Executiva Nacional do PT se reuniu na manhã desta quinta-feira (4) para debater o impasse que se instalou no cenário eleitoral fluminense. A legenda acusa o PSB de romper o acordo que previa ao PSB indicar Freixo como candidato ao governo do Rio de Janeiro e ao PT indicar André Ceciliano ao Senado. À revelia, Alessandro Molon (PSB) lançou-se candidato a senador e gerou revolta entre petistas.

 Por sugestão do deputado federal José Guimarães (PT-CE) e esperando um gesto do PSB, a Executiva Nacional petista voltará a conversar nesta sexta-feira (5), prazo final das convenções partidárias, sobre a manutenção, ou não, do apoio a Freixo.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) é uma das que defendem seguir a aliança com Freixo. Para ela, inclusive, assim como para alguns colegas, o assunto poderia ser dado por encerrado já nesta quinta-feira.

Abaixo, nota da Executiva Nacional do PT:

“A Comissão Executiva Nacional do PT reafirmou hoje (4/08) o compromisso do partido com uma aliança nacional em torno da chapa Lula-Alckmin, numa coligação que já reúne seis outros partidos: PSB, PCdoB, PV, PSOL, Solidariedade e Rede.

Esta coligação nacional orienta nossas alianças regionais, por isso reafirmamos a nossa disposição de construir um grande palanque no Estado do Rio de Janeiro, com Marcelo Freixo governador e André Ceciliano senador, dando unidade e potência ao nosso campo político.

Esperamos que amanhã (05/08), prazo final para a realização de convenções partidárias, a direção do PSB confirme o cumprimento do acordo político em torno dessa unidade.

Gleisi Hoffmann – Presidenta nacional do PT

José Guimarães – Coordenador do Grupo de Trabalho Eleitoral/PT”.

 

WSCOM