Cortes de frango congelados corresponderam a 17% do total das exportações brasileiras para a África do Sul; na imagem, produção de frango congelado em fábrica brasileira

O frango congelado brasileiro voltará a entrar na África do Sul sem pagar imposto extra. O país suspendeu, por 12 meses, as tarifas antidumping que vigoravam desde dezembro do ano passado.

Até agora, o frango congelado do Brasil entrava no país africano pagando tarifas extras de 6% a 265,1%, além do imposto de importação. O governo sul-africano afirmava que o produto prejudicava os produtores locais.

Autorizada pela OMC (Organização Mundial do Comércio), a imposição de tarifas para a proteção de produtores locais –conhecida como antidumping– é justificada quando um país exporta um item abaixo do preço de custo –o dumping. Pela legislação internacional, a prática é entendida como concorrência desleal.

Os ministérios da Economia e das Relações Exteriores do Brasil negaram a prática. Em nota conjunta, informaram que mantiveram diálogo constante com as empresas brasileiras investigadas e com autoridades sul-africanas, inclusive mediante manifestações técnicas relativas à investigação de dumping.

O governo brasileiro seguirá atento ao caso na expectativa de que a suspensão temporária das tarifas antidumping se torne definitiva”, destacou o comunicado.

Em 2021, as exportações brasileiras para a África do Sul superaram US$ 1 bilhão. Cortes de frango congelados corresponderam a 17% do total.

O Brasil é fornecedor confiável e competitivo de carne de frango. A produção brasileira é importante para a garantia da segurança alimentar em diferentes mercados, sobretudo no atual momento de desequilíbrio das cadeias internacionais de distribuição e de elevação geral de preços”, concluiu o comunicado.

 

PODER com informações da Agência Brasil.