O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse nesta 5ª feira (18.ago.2022) que a autoridade monetária deve elevar a projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2022 para mais de 2%. Ele enalteceu o trabalho do BC no controle da inflação e disse que as pessoas entendem que o trabalho foi “em grande parte, feito”.

Ele participou do evento BTG Pactual – Macro Day 2022“, promovido pelo BTG Pactual, em São Paulo. Eis a íntegra da apresentação (3 MB). “A gente só atualiza a projeção no Relatório de Inflação. A nossa projeção atual está um pouco acima de 2%. Deve sair em breve. Os números têm saído melhores e os indicadores em tempo real também têm saído melhores”, disse. Atualmente, o BC estima crescimento de 1,7% no PIB de 2022.

Segundo ele, a revisão para cima se deve aos efeitos temporários de medidas do governo, mas também destacou que o setor de serviços puxa de forma mais “forte” o PIB.

Campos Neto afirmou que há desaceleração no mundo em 2022 e 2023. A grande incógnita, segundo ele, é o desempenho da economia da China. “Se a China for para um crescimento abaixo de 3%, a gente pode ter um efeito maior em alguns países emergentes”, afirmou.

Ele afirmou que, enquanto o mundo tem atualizado as estimativas de crescimento para um patamar menor, o Brasil está em trajetória ascendente nas projeções. O presidente do BC disse que a melhora se deve em parte às medidas do governo e às surpresas positivas no desempenho dos setores da economia.

Campos Neto falou que o “sentimento de crescimento futuro” global está para “baixo”“Está bastante claro esse debate de desaceleração global. Já foram duas revisões [nas projeções] globais no FMI. A gente provavelmente vai ter mais uma revisão […] O Brasil é o único país que teve revisões para cima. 

POLÍTICA MONETÁRIA

Campos Neto afirmou que a inflação está “bastante pressionada” no Brasil. Sobre a queda dos preços dos combustíveis, disse que as medidas do governo ajudaram a reduzir o índice no curto prazo, mas que é preciso observar o desempenho no médio prazo. Para ele, a alimentação em domicílio e os preços dos serviços são itens que são “desafiadores”.

“De fato, as medidas do governo ajudam, inclusive geram uma inércia positiva, de menor inflação. Mas é importante qualificar o que a gente vê de estrutural de inflação no médio prazo”, declarou.

O presidente do Banco Central disse que o Brasil se antecipou ao restante no mundo no controle da inflação, que foi impactada na pandemia de covid-19 depois da forte injeção de recursos na economia global. Usou dados dos Estados Unidos, que fizeram aporte fiscal para estimular a atividade econômica em momento de crise sanitária.

Por ter se antecipado o trabalho, o índice de preços do Brasil entrou em tendência de queda, enquanto outros países ainda sofrem com pressões inflacionários. Usada para controlar o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a taxa básica brasileira, a Selic, está no maior patamar em 5 anos.

Campos Neto afirmou que a curva para precificação de juros futuros “inclinada para cima” em quase todos os países. “Um dos poucos países que precifica queda de juros é o Brasil, em termos de apreçamento de política monetária. Significa que o trabalho fez o trabalho mais cedo e mais rápido, e que as pessoas entendem que o trabalho do Banco Central está, em grande parte, feito”, afirmou.

Campos Neto afirmou que, em 2014 e 2015, a inflação foi “brasileira” por erro de política interna, diferentemente de 2022. “A gente sofreu impacto de uma inflação global. Obviamente, nós tivemos os nossos próprios desafios aqui também. Mas a gente mostra que a gente está abaixo da média”, declarou.

André Esteves, fundador do BTG Pactual, disse que o índice de preços do país deve ficar abaixo dos Estados Unidos. “O Banco Central brasileiro foi atuante durante o desafio inesperado da pandemia [de covid-19]. Agiu rápido e, após a pandemia, nesse surto inflacionário global, o Banco Central brasileiro também é aquele que também agiu de maneira mais assertiva, rápida e com firmeza do que todos outros Bancos Centrais do G20″, declarou.

Ele afirmou que a inflação abaixo do EUA é uma conquista e uma informação para ser vendida ao exterior.

INFLAÇÃO E SELIC

Em julho, o Brasil registrou deflação –queda no índice de preços– de 0,68%. Essa foi a 1ª queda do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) desde maio de 2020 (-0,38%). Também foi o maior recuo registrada da série histórica, iniciada em janeiro de 1980 –ou seja, 42 anos.

O índice desacelerou em julho em relação a junho no acumulado de 12 meses. A taxa passou de 11,89% para 10,07%. Ainda assim, está acima de 2 dígitos há 11 meses. Esse é o menor percentual desde agosto de 2021, quando teve alta 9,68% em 12 meses.

O mundo passa por um processo de inflação alta. A inflação dos Estados Unidos já superou o índice de preços do Brasil em 2022. O CPI (índice de preços ao consumidor, na sigla em inglês) norte-americano acumula alta de 5,31% de janeiro a julho. No Brasil, chegou a 4,77% no mesmo período.

Na Zona do Euro, a inflação chegou a 8,9% no acumulado de 12 meses. Esse é o maior patamar da história. Na América Latina, o índice de preços do Brasil fica abaixo da Venezuela (139%), Argentina (71,0%), Chile (13,1%), Paraguai (11,1%) e Colômbia (10,2%). Também têm inflação alta o Uruguai (9,6%), Peru (9,3%) e México (8,2%).

Para controlar a inflação alta, o Banco Central subiu taxa básica de juros, a Selic, para 13,75% ao ano em 3 de agosto de 2022. Os juros estão no maior patamar desde janeiro de 2017. A última vez que ficou acima deste nível foi em novembro de 2016, quando estava em 14% ao ano. O Copom (Comitê de Política Monetária) deixou a porta aberta para elevar a Selic para 14% ao ano em setembro e disse que manterá a taxa alta por um período “suficientemente longo” para controlar a inflação.

 

PODER 360