A Monkeypox, mais conhecida como a varíola dos macacos, já atingiu 92 países, provocando 35 mil diagnósticos positivos para a doença e 12 mortes. De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil está entre os países com alerta para tendências de crescimento de notificações.

O país registra 3.359 casos confirmados até a noite de quarta-feira, segundo dados do Ministério da Saúde. Com a disseminação acelerada, o Brasil ultrapassou a Alemanha, com 3.212 casos, e tornou-se o 3º país no mundo com o maior número de registros, ficando atrás apenas de Estados Unidos e Espanha.

Na Paraíba, em uma semana, o Estado saiu de 35 notificações de casos em investigação para 47, confirmando o crescimento de 34,28%. No entanto, apenas um caso foi confirmado até o momento, registrado no dia 4 de agosto.
Nesta sexta-feira, o boletim diário da Secretaria de Saúde do Estado, mostrou que 13 casos que estavam em investigação foram descartados, chegando ao montante total de 17 descartes, 39 casos em investigação e 57 notificações totais.

Ainda de acordo com o boletim diário, a Paraíba tem 20 cidades com casos em investigação. João Pessoa concentra a maioria, com 18 registros em investigação, 10 casos descartados e o primeiro caso confirmado. Além da capital, apresentam casos em investigação os municípios de Campina Grande (com três casos); Santa Rita, Gurinhém, Ingá, Monteiro e Nova Palmeira (dois casos cada); Araçagi, Coremas, Lagoa Seca, Mamanguape, Massaranduba, Mogeiro, Rio Tinto e Soledade (um caso cada). Sousa, Cruz do Espírito Santo, Mulungu, São João do Cariri tiveram um descarte de caso suspeito cada. Santa Rita registrou dois descartes.

As amostras de todos os pacientes são enviadas pelo Lacen-PB para o laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. A maioria dos pacientes tem entre 20 a 39 anos, com 18 registros em investigação e onze descartados. Cinco casos em crianças de zero a nove anos estão em investigação, além de oito entre pessoas de 10 a 19 anos, com um descarte.