Alexandre de Moraes, ministro do STF. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, decidiu criar um núcleo de inteligência com a participação de comandantes das Polícias Militares para avaliar a segurança das eleições.

Após reunião com comandantes, nesta quarta-feira, o TSE divulgou que o grupo irá reunir três membros indicados pelo Conselho Nacional de Comandantes Gerais e três indicados pelo próprio tribunal para análise de informações que passam pelo porte de armas no dia das eleições, a proibição de usar celular na hora do voto e a segurança dos mesários.

O TSE divulgou a ata do encontro em que fala da parceria tribunal e os comandantes. Por meio da assinatura de um termo de cooperação, os policiais deverão ajudar na divulgação de informações contra fake news, que é parte do material de campanhas da justiça eleitoral.

A ata da reunião explica que haverá “coordenação e centralização de informações de todas as corporações e elaboração de relatórios, bem assim para a divulgação e distribuição de diretrizes e peças informativas produzidas pelo TSE”.

Moraes e os comandantes discutiram também sobre a possibilidade de restringir o porte de armas, o treinamento e também o transporte de armas pelos CACs (Colecionadores, Atiradores desportivos e Caçadores), no dia das eleições.

Outra preocupação é com a fiscalização de eleitores que descumprem a regra que impede o uso de celular dentro das cabines de votação. Para integrantes da justiça eleitoral, este é um dos focos da disseminação de fake news, que deve ser combatido.

Durante o encontro, os ministros do TSE e os comandantes das polícias também trataram da garantia da segurança pública nas eleições, hierarquia e disciplina policiais. Ou seja, que os comandantes devem assegurar que terão poder sobre a conduta dos policiais de seus batalhões para evitar instabilidades.

O encontro aproxima o TSE de uma categoria politicamente identificada com o presidente da República, Jair Bolsonaro. De acordo com o TSE, serviu para abordar “a importância das Polícias Militares nas eleições, pela competência e capilaridade” e “ações de inteligência”, que incluem a participação dos PMs.

Debate

As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

 

CNN