Convidado para proferir uma palestra pelo Presidente do Rotary Clube de São Luis-São Francisco, sr. Francisco da Terra, estive na noite de quinta-feira, 24/09, na sede do Rotary Clube na Península da Ponta D’Areia.

Luiz Thadeu palestrando no Rotary

Com o título “As viagens que fazemos através dos livros”, falei do projeto de arrecadar livros para a biblioteca comunitária que estou montando, e também sobre o lançamento do livro “Das muletas fiz asas”.

Em uma noite estrelada, tive o prazer de falar para um auditório cheio de pessoas atentas a ouvir relatos de vida, histórias vividas e vivenciadas ao longo do tempo. No outono da vida me tornei um Forrest Gump, andarilho e contador de histórias.

A biblioteca comunitária “Amigo dos livros” foi a maneira que encontrei de devolver às pessoas de minha querida Ilha do Amor, um pouco do muito que aprendi através dos livros.

Presidente do Rotary, Francisco da Terra, entregando o certificado para o palestrante Luiz Thadeu.

Após anos relutando, segurando dentro de mim o primeiro livro, realizei o sonho de lançar “Das muletas fiz asas”, pela editora N’versos, em 22 de junho, em minha São Luís do Maranhão, cidade que me viu nascer, crescer, constituir família, criar filhos, enfim, me ensinou a arte do bem viver.

Ainda garoto, foi através dos livros que conheci o mundo, na Biblioteca Pública Benedito Leite, um majestoso prédio localizado no centro de nossa Ilha do Amor. Foi nas páginas dos livros que primeiro atravessei o Atlântico e visitei os mais longínquos lugares do mundo. Fui a Paris nas obras de Marcel Proust, conheci a Rússia nos relatos de Fiodó Dostoievesk, visitei Cuba pelas lentes de Ernest Hemingway, a Colômbia de Gabriel Garcia Márquez, o Peru de Mário Vargas Lhosa, o Rio de Janeiro de Machado de Assis, Porto Alegre de Érico Veríssimo, a efervescente e erótica Bahia de Jorge Amado. Enfim, passeie pelo belo centro histórico de São Luís, na fecunda e detalhista obra de Josué Montello.

Luiz Thadeu com sua esposa Helena e o professor José Augusto Silva.

Conheci a obra de Clarice Lispector, que diz que “Há um livro dentro de cada um de nós, basta colocar para fora”. Acredito que todos nós temos um ou mais livros dentro de nós: bastar sentar, rebobinar a memória, escrevê-lo e publicá-lo.

Luiz Thadeu ao lado de D. Lucinha.

Como andarilho e amigo dos livros, tive a ideia de fazer uma campanha para arrecadar livros para a futura biblioteca comunitária. Graças à generosidade dos amigos e conhecidos, já arrecadei dois mil volumes. Na reunião no Rotary, tive a alegria de vê caixas de livros, que me foram doadas, e se juntarão aos demais volumes.

Entre companheiros e companheiras tive a oportunidade de contar um pouco de minhas andanças pelo mundo. Que após o grave acidente automobilístico que sofri em julho de 2003, no interior do RN, mudaria minha vida para sempre. Cinco anos preso a leitos hospitalares, 43 cirurgias. Adaptado às muletas, saí pelo mundo, sendo hoje o sul-americano mais viajado do mundo com mobilidade reduzida. Visitei 143 países em todos os continentes da terra.

Se no início viajei através dos livros, hoje viajo com o livro “Das muletas fiz asas”. Em 09 de setembro vindouro, estarei lançando-o em uma grande livraria de São Paulo.

Dia seguinte ao lançamento, caio no mundo novamente. Embarco de São Paulo para dez países, superando a marca de 150 países americanos. A meta é visitar todos os 194 países na classificação da Organização das Nações Unidas (ONU).

“Os livros são os mais silenciosos e mais fiéis amigos, são os mais acessíveis e sábios conselheiros, e os mais pacientes professores”, Charles W. Eliot, escritor americano.
O livro é tão bom companheiro que os vizinhos não vão reclamar que seu livro está alto demais. Nunca saio de casa sem um livro na mochila. Nas longas conexões dos aeroportos, os livros são sempre uma companhia agradável.

“Fisicamente, habitamos um espaço, mas sentimentalmente, somos habitados por uma memória”, José Saramago, escritor português, Prêmio Nobel de Literatura 1998
Cito Saramago para falar que todos ali presentes têm boas histórias de vida. Destaco dois companheiros longevos: Douglas Pinho, 80 anos, velho conhecido; d. Lucinha, uma garota de 85 anos, minha mais nova amiga. Os dois têm muitas memórias e memorizáveis histórias para narrar, que certamente darão ótimos livros.

Assim como o professor José Augusto, mestre no passado, amigo e companheiro no presente, que está em processo de escrita das memórias familiares. Ou, como a dileta amiga Eva Rufino, com uma bela e exitosa trajetória, que dará um bom livro.
Como me disse uma companheira após o término da palestra, lembrando do educador Rubens Alves, por causa do título do livro, “Das muletas fiz asas”, que sempre voarão para longe.

Como a vida é feita de momentos, a agradável noite de quinta-feira, 24/08, deixou marcas indeléveis em mim, pela boa energia que recebi de cada um que ali esteve.
“A vida é um livro e quem não viaja lê apenas a primeira página”, Santo Agostinho, teólogo e filósofo africano.

“Livros e portas são a mesma coisa. Ao abri-los você passa para um outro mundo”, Jeanette Winterson, escritora britânica.
Que muitas portas se abram para todos, e que cada um posso tirar um livro de dentro de si.

Publicação do Luiz Thadeu no Jornal O Estado de São Paulo. Fonte da imagem: Arquivo pessoal.

Do livro não me livro, com ele sigo em frente: aprendendo, me inspirando, me renovando.
“Somos o resultado dos livros que lemos, das viagens que fazemos e das pessoas que amamos…” – Airton Ortiz, escritor e jornalista gaúcho.
“Livros dão alma ao universo, asas para a mente, voo para a imaginação, e vida a tudo”. – Platão, filósofo grego.

Luiz Thadeu Nunes e Silva
Sobre o autor: Engenheiro Agrônomo, Palestrante, cronista e viajante. Autor do livro “Das muletas fiz asas”, o sul-americano mais viajado do mundo com mobilidade reduzida, visitou 143 países em todos os continentes da terra