O impasse entre a Unimed-JP e os enfermeiros sobre o não pagamento do piso nacional da categoria, sancionado recentemente pelo presidente Jair Bolsonaro(PL), continua. Nesta segunda-feira (29), durante Live com o jornalista Anderson Soares, a presidente do Sindicato dos Enfermeiros da Paraíba, Milca Rêgo, revelou que o a proposta da Unimed é começar a pagar o piso a partir de novembro.

O caso foi encaminhado para o Ministério Público do Trabalho (MPT), que sugeriu uma consulta aos profissionais sobre a propostas da cooperativa. O resultado será levado, amanhã, para uma reunião no MPT com a direção da Unimed e o sindicato da categoria, segundo informou Milca. Ela disse que o piso nacional terá que ser cumprido.

O problema é que os enfermeiros alegam que os médicos estão fazendo pressão psicológica para os enfermeiros aceitarem o acordo, sob pena de serem demitidos. A consulta aos profissionais está sendo feita através de urnas de papelão onde as informações sobre a votação está sob o controle da Unimed. “O resultado da consulta será divulgado, hoje, e será respeitado seja qual for a decisão”, disse Milca.

Além do assédio moral denunciado pelos enfermeiros, a categoria afirma que até aceita a proposta da cooperativa em relação ao pagamento do piso a partir de novembro, no entanto, não abre mão do recebimento dos retroativos. A Unimed não aceita a negociação. “A lei deve ser cumprida instantaneamente. Ela está em vigo desde o dia 5. Podemos até aceitar a proposta da Unimed, mas terão que pagar o retroativo”, disse uma enfermeira que não quis de identificar por medo de represália.

 

Anderson Soares