PEQUIM (Reuters) – A China intensificará medidas para aumentar a demanda e estabilizar o emprego e os preços no segundo semestre do ano, visando otimizar os resultados econômicos, disse o Ministério das Finanças do país nesta terça-feira, conforme as autoridades se esforçam para sustentar o crescimento vacilante.

A promessa veio após um pacote de novas medidas de estímulo econômico anunciadas pelo gabinete da China na semana passada, incluindo bilhões de dólares em financiamento de políticas econômicas.

“A China fará bom uso de títulos especiais de governos locais e apoiará a implementação de ferramentas de financiamento de bancos” no segundo semestre do ano, disse o ministério em comunicado publicado em seu site.

O ministério também disse que restringirá estritamente novas dívidas ocultas dos governos locais, que se referem ao financiamento da dívida fora do balanço pelos governos locais.

A receita fiscal da China aumentou em junho devido ao afrouxamento das restrições da Covid-19, com 25 províncias apresentando crescimento na arrecadação, após um declínio em abril e maio devido a descontos de crédito de imposto de valor agregado, disse o ministério.

Além da série de medidas econômicas de suporte, a China também está intensificando os gastos com infraestrutura para estimular a economia em desaceleração, que por pouco escapou de uma contração no trimestre findo em junho.

(Reportagem de Liangping Gao e Ryan Woo)