Foto: Reprodução

A candidata à presidência da República Simone Tebet (MDB) fez críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante sua participação na sabatina realizada na 2ª feira (19.set.2022) pelo jornal O Estado de São Paulo em parceria com a FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado).

Segundo a emedebista, uma eventual vitória de Lula poderá desencadear um governo populista para assegurar a permanência do PT no governo.

“É um governo de um mandato só que vai querer se perpetuar no poder. Ele vai querer entrar para a história. Lula vai querer deixar o nome dele para a história e, para isso, ele vai ter de ser mais do mesmo do que ele foi. Ele vai ter de ser populista para poder virar um Perón, o que a família Perón foi no passado. Ele vai ali meter projetos populistas para garantir uma perpetuação do PT nos próximos 8 anos”, disse em referência ao governo de Juan Domingo Perón, que governou a Argentina em 3 décadas diferentes.

Tebet também falou sobre a pressão da campanha do ex-presidente para atrair seus votos no 1º turno e disse que não consegue “visualizar” o apoio a candidatura petista.

Aliados de Lula e celebridades intensificaram nos últimos dias os apelos a eleitores dizendo que o voto em Ciro Gomes (PDT) ou em Tebet pode ajudar a levar o presidente Jair Bolsonaro (PL) para o 2º turno. Assim, todos deveriam votar em Lula já no 1º turno. Há manifestações pró-Lula pelo chamado “voto útil” do ex-jogador de futebol Raí, do jornalista esportivo Juca Kfouri e do técnico de futebol Vanderlei Luxemburgo.

“Eu não acredito no governo Lula. Por isso, eu sou candidata. Eu não consigo visualizar [apoio], a não ser o papel que nós temos de fortalecimento de um pacto a favor do Brasil que começa e não termina agora”, disse.

A candidata do MDB afirmou ainda que lutará “até o fim” por sua candidatura e não falou sobre negociações futuras em um eventual 2º turno.

“Eu não converso com Lula. Sabe quando eu conversei com Lula, e até ele foi gentil em me cumprimentar e fazer uma brincadeira comigo, foi no dia do debate. Eu não tenho o celular dele e não sei com quem ele fala”, afirmou.

PODER 360