Foto: Reprodução

O 1% dos candidatos “mais ricos” ficava com 39% dos recursos públicos nas eleições passadas; agora, fica com 27%

Nas eleições de 2018, o grupo que reuniu o 1% dos candidatos que mais receberam dinheiro público ficou com 39% do total distribuído pelos partidos. Agora, em 2022, esse grupo têm 27% dos recursos. Ou seja, a concentração do dinheiro em poucos candidatos diminuiu.

As informações são de levantamento do Poder360 com dados do TSE sobre Fundo Eleitoral e Fundo Partidário até 26 de setembro.

A concentração de verba em poucas candidaturas é sempre presente nas eleições. “Há muito candidato que está ali só para constar. Do ponto de vista de eficiência, faz mais sentido dar mais recursos em quem tem viabilidade do que fazer distribuição equânime”, diz Arthur Fisch, pesquisador do Cepesp (Centro de Política e Economia do Setor Público), da FGV.

Estas eleições, no entanto, trazem uma particularidade: a quantidade de recursos públicos mais do que dobrou em relação a 2018 (deve atingir R$ 6 bilhões), mas o teto de gastos só foi corrigido em 27%.

Ou seja, mais candidatos chegam perto do teto, o que fez os partidos serem obrigados a distribuir mais essas verbas adicionais. “Temos observado candidatos a deputado federal, por exemplo, mais próximos na média do teto de gastos. O limite passou a funcionar melhor nestas eleições para desconcentrar os recursos“, diz Fischer.

Isso levou as siglas a novas apostas. O Poder360 já mostrou, por exemplo, que a concentração das verbas em deputados que tentam a reeleição na Câmara diminuiu de 45% para 30% dos recursos a esse cargo.

PARTIDOS QUE MAIS CONCENTRAM

O PDT é o partido que até agora mais concentrou recursos no grupo de 1% de candidatos “mais ricos”. Metade dos R$ 209 milhões de Fundo Eleitoral e Partidário distribuídos pelo partido ficou com as candidaturas principais.

A sigla colocou até agora 16% do total na candidatura de Ciro Gomes à Presidência e 29% nos candidatos a governador.

Com isso, o PDT ficou entre os partidos que menos destinou recursos à eleição a deputado federal. Foram R$ 62 milhões, o equivalente a 30% do dinheiro.

O PDT apostou na força de Ciro, de que ele cresceria e poderia chegar ao 2º turno impulsionando os candidatos a deputado federal. Só que não conseguiu fechar nenhuma aliança relevante. Eles têm um risco grande no domingo [dia do 1º turno]“, diz Arthur Fischer.

Leia abaixo a concentração de recursos de cada partido no 1% que mais recebeu. O levantamento do Poder360 excluiu siglas com menos de R$ 10 milhões de fundos públicos para evitar distorções.

Do lado oposto, o dos partidos que mais distribuíram os recursos está o União Brasil. A sigla é a campeã de Fundo Eleitoral e partidário. Distribuiu R$ 791 milhões até agora.

O partido é o 2º com maior número de candidatos (1.546) e não priorizou a candidatura presidencial (de Soraya Thronicke). Com isso, optou por distribuir mais os vultosos recursos destas eleições.

O União Brasil é a legenda que mais colocou dinheiro em campanhas a deputado federal. Foram R$ 440 milhões a candidatos ao cargo.

A título de comparação: o 2º partido mais rico em fundos públicos é o PT. Destinou R$ 478 milhões a todos os seus candidatos. Os R$ 440 milhões do União foram só aos candidatos a deputado federal.

O que é possível observar da estratégia de outros partidos:

  • PL – é o campeão em número de candidatos (1.618). Não priorizou dar recursos para a candidatura de Bolsonaro à Presidência (só 5% do total até agora). Em relação aos outros candidatos, optou por concentrar mais o dinheiro em quem tem mais chance, mas terá um monte de candidaturas sem chance de vitória para tentar somar votos;
  • PP – Tem muitas candidaturas, mas distribuiu mais os recursos. É o 2º partido que mais dinheiro remeteu aos candidatos a deputado;
  • PT – É disparado quem concentrou mais recursos na campanha presidencial. A aposta é que os R$ 89 milhões já gastos na campanha de Lula ajudem a alavancar e puxar votos para outras candidaturas;
  • PC do B – Tem estratégia eleitoral diferente das outras siglas. Todos os recursos do partido foram divididos em poucos candidatos (223). A sigla não distribuiu verba nenhuma a candidaturas majoritárias. Os recursos foram divididos em 58% para candidatos a deputado federal e 42% para candidatos a deputado estadual. A aposta parece ser em conseguir fazer candidatos fortes dentro da federação partidária em que está (com o PT e PV);
  • Avante – destinou 78% dos recursos aos candidatos a deputado federal, o maior percentual entre os partidos.

O pesquisador Arthur Fisch destaca que estas eleições trazem mudanças que têm mudado a distribuição de recursos.

Essa campanha é super decisiva para a Câmara. Há aumento na cláusula de desempenho aumento e não há mais coligação proporcional. Ou seja, os partidos vão ter mais dificuldade para fazer bancada nos Estados. E estão priorizando mais as bancadas na Câmara dos Deputados. A disputa por lá, neste ano, é central para garantir mais recursos às siglas no ano que vem“, afirma.

PODER 360