Reprodução

O bilionário se ofereceu para prosseguir com o negócio em uma carta; julgamento sobre a compra será em 17 de outubro

O empresário Elon Musk propôs aos representantes do Twitter a compra da rede social pela oferta original de US$ 44 bilhões –US$ 54,20 por ação. As informações são da Bloomberg e foram confirmadas pelo Washington Post.

Segundo a agência de notícias, Musk enviou uma carta na noite de 2ª feira (3.out.2022) pedindo aos representantes da big tech que considerem aceitar a proposta.

A medida de Musk se deu depois de meses de uma disputa legal entre o empresário e a plataforma. O bilionário fez uma oferta de compra em 13 de abril, que foi aceita pela big tech em 25 de abril.

Mas Musk desistiu da aquisição em 8 de julho, afirmando que a empresa de tecnologia “violou várias disposições do contrato” e não se recusou a dar detalhes sobre contas falsas e spam.

O caso então foi parar na justiça. Em 12 de julho, o Twitter entrou com uma ação no Tribunal de Chancelaria de Delaware, nos Estados Unidos, contra o bilionário pedindo para que a compra fosse concluída.

Em 16 de julho, o CEO da Tesla abriu um recurso solicitando que o processo com a plataforma fosse realizado depois de 13 de fevereiro de 2023.

O julgamento do caso foi marcado para 17 de outubro depois que a Justiça de Delaware negou o pedido de adiamento do bilionário para novembro.

Musk afirmou em 6 de agosto que a compra da plataforma de tecnologia poderia continuar se fosse realizada nos termos originais e se o Twitter fornecesse informações sobre seu método de amostragem de contas e de diferenciação entre contas verdadeiras e de robôs.

Em 23 de agosto, o ex-chefe de segurança da platafoma Peiter “Mudge” Zatko acusou a empresa de violar o acordo de manter práticas de segurança sólidas na rede social.

Segundo Zatko, lideranças do Twitter omitiram do próprio conselho e de reguladores federais as fragilidades de segurança da rede social. Disse ainda que executivos do Twitter não têm recursos para mensurar a quantidade real de bots na rede social –um dos impasses entre Musk e a big tech para fecharem o acordo.

Em 25 de agosto, a Justiça atendeu ao pedido da equipe de Elon Musk para que o Twitter produzisse mais dados sobre contas falsas.

Em 12 de setembro, a maioria dos acionistas do Twitter votou a favor da venda ao bilionário.

Poder 360