O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), “tem sintomas de ditador”. Fala foi em entrevista à revista Veja, publicada na 6ª feira (7.out.2022).

Eu acho que o Supremo exerce um ativismo judicial que é ruim para o Brasil todo. O próprio Alexandre de Moraes instaura, ignora Ministério Público, ouve, investiga e condena. Nós temos aqui uma pessoa dentro do Supremo que tem todos os sintomas de um ditador”, disse Bolsonaro quando questionado sobre um possível aumento de ministros da Corte.

Eu fico imaginando o Alexandre de Moraes na minha cadeira. Como é que estaria o Brasil hoje em dia?”, completou.

Na entrevista, o chefe do Executivo também reconheceu ter votado em pautas estatizantes no passado, mas afirmou que hoje é um liberal e ressaltou as políticas econômicas do seu governo. Em autocrítica, se disse arrependido de episódios controversos com mulheres.

Leia mais sobre os temas abordados na entrevista e o que disse o presidente:

  • Guedes – Guedes “merece um Prêmio Nobel na economia”;
  • Lula – “Tem uma capacidade de mentir sem ficar vermelho. (…) Ele foi condenado em 3 instâncias. Não foi absolvido, isso não é verdade”;
  • prioridade em eventual novo governo – “Potencializar as privatizações”;
  • mulheres – “Eu errei”, afirmou o presidente ao citar episódio de 2014 em que disse que só não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque ela é feia e fala sobre sua filha ser uma “fraquejada”;
  • reconciliação com Moro – Sergio Moro (União Brasil) “não tinha experiência nenhuma de política, faltou jogo de cintura” quando deixou o governo. “Agora é bola para a frente. Meu governo não persegue ninguém”;
  • pandemia – “Lamento a pressão do Judiciário e da imprensa para castrarem a autonomia médica de receitar cloroquina e ivermectina”;
  • Daniel Silveira – “Se eu fosse ministro do Supremo, também ficaria indignado com as palavras daquele vídeo do Daniel Silveira [PTB-RJ], mas a pena não podia ser aquela, é desproporcional”;
  • Joe Biden – “O peso da idade chegou mais cedo para ele”;
  • Donald Trump – “Certas questões que aconteceram no mundo não aconteceriam no governo Trump, dada a posição de liderança dele. Alguns acham que a guerra da Ucrânia não teria acontecido com ele no poder. Eu concordo”;
  • encontro com Vladimir Putin – “Alguns acharam que eu não deveria ter ido, mas o sofrimento para nós, brasileiros, seria enorme. Teríamos uma explosão no aumento do preço dos alimentos. (…) O tratamento deles foi excepcional e chegamos a um entendimento”;
  • 1º turno da eleição – “A gente sabia que o Lula, devido ao recall, ia ter uma boa votação. Mesmo assim, o resultado final foi acima do que eu esperava, mas dentro de uma margem de erro prevista por nós.

PODER 360