Pesquisa PoderData realizada de 9 a 11 de outubro de 2022 mostra Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 52% das intenções de votos válidos contra 48% de Jair Bolsonaro (PL) na corrida de 2º turno pela Presidência da República. As taxas consideram os votos válidos –os dados a algum candidato, excluindo-se brancos e nulos. É assim que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgará os resultados na noite do domingo eleitoral de 2º turno, em 30 de outubro.

O PoderData entrevistou 5.000 pessoas nesta rodada. Como o número de entrevistas é maior que nas rodadas anteriores, os resultados são mais precisos. A margem de erro do levantamento é de 1,5 ponto percentual, para cima ou para baixo.

Lula e Bolsonaro mantiveram as taxas registradas na semana anterior, indicando um cenário estável.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, com recursos do Poder360, por meio de ligações para telefones celulares e fixos. Foram 5.000 entrevistas em 347 municípios nas 27 unidades da Federação de 9 a 11 de outubro de 2022. A margem de erro é de 1,5 ponto percentual para um intervalo de confiança de 95%. O registro no TSE é BR-09241/2022. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto. A divulgação dos resultados é feita em parceria editorial com a TV Cultura.

“NÃO VOTO” TAMBÉM IGUAL: 8%

Considerando o conjunto total do eleitorado, Lula tem 48%, e Bolsonaro, 44%. Outros 6% pretendem votar em branco ou anular o voto, e 2% estão indecisos. As taxas também são iguais às apuradas na rodada anterior, de 3 a 5 de outubro.

ESTRATIFICAÇÃO E DISPUTA REGIONAL

No Sudeste, região com mais eleitores do país, Bolsonaro tem 51% dos votos válidos contra 49% de Lula –situação de empate técnico.

No Nordeste, o petista segue hegemônico. Tem quase 2 em cada 3 votos válidos (64%), enquanto 36% estão com Bolsonaro.

Já no Sul, O presidente abriu vantagem de 18 pontos. Está com 59% dos votos válidos contra 41% de Lula na região.

De acordo com o cientista político Rodolfo Costa Pinto, 31 anos, coordenador do PoderData, há 2 fatores que devem ser observados com mais atenção a partir de agora: os votos da região Sudeste (sobretudo em Minas Gerais) e a possível taxa de abstenção no Nordeste.

“No Nordeste, as taxas de abstenção do 1º turno não foram tão altas em alguns Estados. Mas sempre há uma tendência de aumento no 2º turno, como mostram os dados históricos. Isso poderia eventualmente prejudicar Lula, se o padrão de outras se repetir, claro. Já no Sudeste o presidente Bolsonaro venceu no 1º turno, está à frente e há sinais de que possa reagir em Minas Gerais, único Estado em que ficou atrás de Lula em 2 de outubro. Mas, em suma, o que se pode dizer com certeza é que a disputa hoje mostra uma aproximação dos 2 finalistas”, diz Costa Pinto.

“Parece claro que o presidente Jair Bolsonaro realmente abriu uma distância confortável no Sul, com 59% contra 41% do ex-presidente Lula, considerando-se os votos válidos. No Nordeste, é o oposto, com Lula pontuando 64% e Bolsonaro ficando com 36%, também dos votos válidos”, acrescenta o cientista político.

Leia abaixo o desempenho dos 2 candidatos por sexo, idade, nível de escolaridade, região e renda familiar.

VOTO POR RELIGIÃO

Bolsonaro vence Lula entre evangélicos (60% X 40% dos votos válidos), enquanto o petista ganha entre católicos (56% X 44%).

Nesta rodada do PoderData, 45% dos entrevistados disseram se identificar com a Igreja Católica, enquanto outros 30% se identificaram como evangélicos.

PODERDATA

O conteúdo do PoderData pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn. 

DIFERENÇAS NAS PESQUISAS

Esta eleição presidencial está sendo desafiadora para as empresas que fazem pesquisa. Há muitos resultados indicando sinais divergentes. Ficou difícil saber qual é a tendência real deste momento.

É importante dizer que todas as pesquisas estão certas, cada uma dentro da metodologia que escolhe. Cada sistema pode ter vantagens e desvantagens, a depender da conjuntura que pretendem apurar.

Em 2018, por exemplo, havia muito “voto envergonhado” em Jair Bolsonaro. Alguns levantamentos presenciais tinham dificuldade de captar esse tipo de preferência. Já as pesquisas por telefone davam mais conforto para parte dos eleitores que optavam pelo então candidato a presidente pelo PSL (hoje, Bolsonaro está no PL).

Ainda não está claro o impacto que cada metodologia tem na coleta de dados. Mas já se sabe que pesquisas presenciais tendem a ter um resultado apontando uma liderança mais folgada de Lula. E pesquisas por telefone (sobretudo as automatizadas e neutras, com uma gravação fazendo as perguntas, como o PoderData) tendem a mostrar uma disputa mais apertada.

Nos Estados Unidos, há décadas não se usa pesquisa presencial para aferir intenção de voto em nível nacional. O ambiente polarizado ao extremo prejudica a coleta dos dados quando o entrevistador e o entrevistado ficam frente a frente.

Em suma, é importante registrar que não se trata de haver erro em uma ou outra pesquisa. São metodologias diferentes. No final desta campanha será possível saber qual terá sido o sistema mais apropriado para apontar tendências no atual momento político brasileiro.

AGREGADOR DE PESQUISAS

O Poder360 mantém acervo com milhares de levantamentos com metodologias conhecidas e sobre os quais foi possível verificar a origem das informações. Há estudos realizados desde as eleições municipais de 2000. Trata-se do maior e mais longevo levantamento de pesquisas eleitorais disponível na internet brasileira.

O banco de dados é interativo e permite acompanhar a evolução de cada candidato. Acesse o Agregador de Pesquisas clicando aqui.

As informações de pesquisa começaram a ser compiladas pelo jornalista Fernando Rodrigues, diretor de Redação do Poder360, em seu site, no ano 2000. Para acessar a página antiga com os levantamentos, clique aqui.

METODOLOGIA

A pesquisa PoderData foi realizada de 9 a 11 de outubro de 2022. Foram entrevistadas 5.000 pessoas com 16 anos de idade ou mais em 347 municípios nas 27 unidades da Federação. Foi aplicada uma ponderação paramétrica para compensar desproporcionalidades nas variáveis de sexo, idade, grau de instrução, região e renda. A margem de erro é de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

As entrevistas foram realizadas por telefone (para linhas fixas e de celulares), por meio do sistema URA (Unidade de Resposta Audível), em que o entrevistado ouve perguntas gravadas e responde por meio do teclado do aparelho. O intervalo de confiança do estudo é de 95%.

Para facilitar a leitura, os resultados da pesquisa foram arredondados. Por causa desse processo, é possível que o somatório de algum dos resultados seja diferente de 100. Diferenças entre as frequências totais e os percentuais em tabelas de cruzamento de variáveis podem aparecer por conta de ocorrências de não resposta. Este estudo foi realizado com recursos próprios do PoderData, empresa de pesquisas que faz parte do grupo de mídia Poder360 Jornalismo. Os resultados são divulgados em parceria editorial com a TV Cultura. A pesquisa está registrada no TSE sob o número BR-09241/2022.

 

Fonte: Poder 360