O ex-presidente Lula e o deputado federal André Janones durante live REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

O PP protocolou representação no Conselho de Ética da Câmara contra o deputado André Janones (Avante). A legenda pede a cassação do mandato do político por produção e disseminação em massa de fake news durante as eleições.

Em nota enviada ao Poder360 (leia íntegra abaixo), Janones disse não haver “qualquer fundo de verdade” nas acusações. Segundo ele, o pedido é “fruto de retaliação política” por sua “incessante atuação nas redes sociais, com vistas a desmontar o esquema criminoso de milícias digitais que levaram à eleição de Jair Bolsonaro nas eleições passadas”.

Na representação (íntegra – 5 MB), o PP afirmou que, desde 2 de outubro, Janones “tem realizado publicações disseminando notícias falsas –as chamadas fake news – sobre o presidente Jair Bolsonaro em redes sociais, principalmente no Twitter e Facebook”.

A legenda apresentou diversas publicações de Janones que, segundo a representação, são inverídicas. Entre elas, que Bolsonaro nomearia Fernando Collor (PTB) para o Ministério da Economia ou que teria “praticado atos de pedofilia” no caso das meninas venezuelanas.

O PP argumentou que, em uma publicação no Twitter, o deputado “afirma estar divulgando fake news com o intuito de atacar Jair Bolsonaro e qualquer pessoa que seja a seu favor”.

É fato público e notório que alguns bolsonaristas já foram punidos pelo TSE [Tribunal Superior Eleitoral] pela divulgação de fake news e, em uma das postagens de Janones no Twitter, ele afirma estar combatendo o bolsonarismo de igual para igual”, declarou o PP.

post em questão foi feito em 4 de outubro. “‘Pra combater o Bolsonarismo de igual pra igual, Janones Federal’. Esse foi um dos meus slogans durante a campanha. Só tô cumprindo minha palavra. Boa noite!”, lê-se na mensagem.

Nesse trecho, eles próprios dizem que os bolsonaristas distribuem fake news”, disse Janones, por mensagem, ao Poder360. “Eles dizem que, quando eu digo que vou fazer o mesmo que o bolsonarismo faz, eu estou dizendo que, segundo eles, eu propagaria fake news. É meio que uma confissão”.

O PP citou na representação o fato de Janones apoiar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), adversário de Bolsonaro no 2º turno das eleições presidenciais.

Verifica-se que Janones, apesar de não integrar formalmente a equipe do petista, se tornou um dos seus principais apoiadores e referência de campanha digital de Lula nas redes sociais”, lê-se na representação.

Janones declarou que sua atuação “obedece ao limites das leis”.

“Todas as afirmações veiculadas por mim, serão devidamente comprovadas no bojo do referido processo”, declarou. “Frisa-se ainda que, ao contrário do grupo comandando por Ciro Nogueira [ministro da Casa Civil e filiado ao PP], Bolsonaro e seus comparsas, eu jamais descumpri e nem descumprirei qualquer ordem emanada pela justiça.

Leia a íntegra da nota de Janones:

“A representação apresentada ao Conselho de Ética pelo Partido Progressista pelo Senador e Ministro Ciro Nogueira, não traz qualquer fundo de verdade, sendo tão somente fruto de retaliação política devido à minha incessante atuação nas redes sociais, com vistas a desmontar o esquema criminoso de milicias digitais que levaram à eleição de Jair Bolsonaro nas eleições passadas.

“Minha atuação obedece ao limites das leis, e todas as afirmações veiculadas por mim, serão devidamente comprovadas no bojo do referido processo. Frisa-se ainda que, ao contrário do grupo comandando por Ciro Nogueira, Bolsonaro e seus comparsas, eu jamais descumpri e nem descumprirei qualquer ordem emanada pela justiça. Quebra de decoro se dá quando o agente político, ataca a imprensa, incentiva a não vacinação, e diz que pintou um clima com uma criança, o que não é o meu caso. Há muito o que ser explicado, mas não da minha parte. Continuo confiante que, ao final, a justiça prevalecerá.”

 

PODER 360