Levantamento da empresa Paraná Pesquisas divulgado nesta 5ª feira (20.out.2022) mostra indefinição na disputa do 2º turno das eleições presidenciais. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) aparecem tecnicamente empatados. Enquanto o candidato petista registra 51,3% das intenções de votos válidos, o atual chefe do Executivo tem 48,7%.

O resultado em votos válidos inclui só as intenções atribuídas a um candidato, excluindo-se os votos brancos e nulos. É assim que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgará os resultados em 30 de outubro.

O levantamento ouviu 2.020 eleitores de 15 a 19 de outubro de 2022. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais em um intervalo de confiança de 95%. Custou R$ 50.000, pagos com recursos próprios do Paraná Pesquisas. Está registrado no TSE sob o número BR-02276/2022. Eis a íntegra (464 KB).

A pesquisa anterior da empresa, realizada de 8 a 12 de outubro, também mostrava empate técnico. Lula tinha 51,9% dos votos válidos e Bolsonaro, 48,1%.

REJEIÇÃO

Os eleitores também foram questionados em quais candidatos não votariam “de jeito nenhum”. Na resposta, os entrevistados puderam citar mais de 1 nome. O ex-presidente Lula é o menos rejeitado, com 47,3% das menções. O presidente Bolsonaro registra 48,8%.

Outros 2,7% dos entrevistados afirmam que poderiam votar nos 2 candidatos. Os que não sabem ou não responderam são 4,6%.

PODERDATA

Pesquisa PoderData realizada com 5.000 eleitores de 16 a 18 de outubro também mostra uma disputa apertada na corrida presidencial. Lula aparece com 52% das intenções de votos válidos. Bolsonaro tem 48%. Não há empate técnico, pois a margem de erro é de 1,5 ponto percentual.

Os 2 candidatos mantiveram as taxas registradas nas duas semanas anteriores, indicando um cenário estável.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, com recursos do Poder360, por meio de ligações para telefones celulares e fixos. Foram 5.000 entrevistas em 351 municípios nas 27 unidades da Federação de 16 a 18 de outubro de 2022. A margem de erro é de 1,5 ponto percentual para um intervalo de confiança de 95%. O registro no TSE é BR-08917/2022. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto. A divulgação dos resultados é feita em parceria editorial com a TV Cultura.

Leia o que dizem outras pesquisas divulgadas nesta semana:

DIFERENÇAS NAS PESQUISAS

Esta eleição presidencial está sendo desafiadora para as empresas que fazem pesquisa. Há muitos resultados indicando sinais divergentes. Ficou difícil saber qual é a tendência real deste momento.

É importante dizer que todas as pesquisas estão certas, cada uma dentro da metodologia que escolhe. Cada sistema pode ter vantagens e desvantagens, a depender da conjuntura que pretendem apurar.

Em 2018, por exemplo, havia muito “voto envergonhado” em Jair Bolsonaro. Alguns levantamentos presenciais tinham dificuldade de captar esse tipo de preferência. Já as pesquisas por telefone davam mais conforto para parte dos eleitores que optavam pelo então candidato a presidente pelo PSL (hoje, Bolsonaro está no PL).

Ainda não está claro o impacto que cada metodologia tem na coleta de dados. Mas já se sabe que pesquisas presenciais tendem a ter um resultado apontando uma liderança mais folgada de Lula. E pesquisas por telefone (sobretudo as automatizadas e neutras, com uma gravação fazendo as perguntas, como o PoderData) tendem a mostrar uma disputa mais apertada.

Nos Estados Unidos, há décadas não se usa pesquisa presencial para aferir intenção de voto em nível nacional. O ambiente polarizado ao extremo prejudica a coleta dos dados quando o entrevistador e o entrevistado ficam frente a frente.

Em suma, é importante registrar que não se trata de haver erro em uma ou outra pesquisa. São metodologias diferentes. No final desta campanha será possível saber qual terá sido o sistema mais apropriado para apontar tendências no atual momento político brasileiro.

AS EMPRESAS DE PESQUISAS

Várias empresas de pesquisa no Brasil se autodenominam, “institutos”, o que pode passar a ideia de que são entidades filantrópicas ou ligadas a alguma instituição de ensino. Na realidade, todas são empresas privadas com fins de lucro. O que as diferencia, em alguns casos, é a carteira de clientes que têm e as regras para aceitar determinados contratos.

PoderData, por exemplo, só faz pesquisas para a iniciativa privada (incluindo os estudos encomendados pelo jornal digital Poder360) e não aceita contratos de órgãos de governo, políticos, candidatos ou partidos.

O Datafolha se autodenomina “instituto” e é uma empresa comercial do grupo dono da Folha de S.PauloUOL e do banco PagBank. Não trabalha para partidos nem para políticos, mas aceita realizar pesquisas para órgãos de governos.

Ipec (Inteligência e Pesquisa em Consultoria) é formado por executivos do antigo Ibope (que encerrou atividades em janeiro de 2021). Trata-se de uma empresa comercial que, como fazia o Ibope, manteve vários contratos com o Grupo Globo, com suas pesquisas sendo divulgadas nos telejornais da emissora. O Ipec não tem restrições para aceitar contratos com governos, partidos ou políticos. O comando é da estatística Márcia Cavallari, que fez carreira no Ibope e hoje é a CEO do Ipec.

As demais empresas de pesquisas não têm nenhum tipo de restrição sobre trabalhar para partidos, políticos ou governos.

AGREGADOR DE PESQUISAS

Poder360 mantém acervo com milhares de levantamentos com metodologias conhecidas e sobre os quais foi possível verificar a origem das informações. Há estudos realizados desde as eleições municipais de 2000. Trata-se do maior e mais longevo levantamento de pesquisas eleitorais disponível na internet brasileira.

O banco de dados é interativo e permite acompanhar a evolução de cada candidato. Acesse o Agregador de Pesquisas clicando aqui.

 

PODER 360