São 227 os novos integrantes da Câmara nestas eleições, a menor renovação desde 1998. Quando se exclui dessa conta os que já ocuparam algum cargo ou os que têm parentes na política, no entanto, sobram apenas 39.

A maioria dos novatos está em partidos conservadores e do chamado “centrão”, como PL (14), União Brasil (6) e MDB (4). Há 10 legendas sem nenhuma novidade entre os eleitos.

O levantamento do Instituto Millenium mostra que a renovação política efetiva da Câmara foi de 7,6%, muito abaixo da taxa que conta simplesmente os candidatos que chegaram à Casa sem disputar a reeleição –esta, de 44,24%.

Leia aqui a lista dos novatos do levantamento. Para chegar aos 39 nomes, o Millenium excluiu da conta:

  • candidatos que ocupam cargo eletivo;
  • candidatos que já ocuparam cargos eletivos;
  • parentes de políticos;
  • ex-ministros e ex-secretários.

Esses critérios excluíram da conta da renovação nomes conhecidos que tomarão posse na Câmara em 2023, como o ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE) e a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (MDB).

No recorte por Estados, Mato Grosso teve metade dos 8 deputados eleitos sem vínculo pregresso com a política tradicional. Em número absoluto, Minas Gerais elegeu mais novatos (6).

Os autores do estudo do Millenium são o cientista político e presidente da Enap (Escola Nacional de Administração Pública), Diogo Costa, o cientista de dados Wagner Vargas e a gerente de conteúdo do instituto, Priscila Chammas.

Em sua análise sobre os deputados eleitos em 2022, eles destacam casos de herdeiros políticos por apadrinhamento pela nomeação para ministérios e secretarias, e não por laços de parentesco.

Citam o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello (PL-RJ), o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (PL-SP) e o ex-secretário especial de Cultura Mário Frias (PL-SP), “todos ocupantes de cargos de natureza especial do presidente Jair Bolsonaro (PL)”.

Há nomes conhecidos mesmo entre os novatos, como o líder caminhoneiro Zé Trovão (PL-SC) e o coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Guilherme Boulos (Psol-SP).

Entraram na conta também 10 integrantes de forças de segurança (coronéis, delegados e sargentos), esportistas e influenciadores digitais.

Poder 360