Reuters

A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Melanie Joly, prometeu apoiar “as mulheres incrivelmente corajosas do Irã” ao liderar uma reunião virtual com suas contrapartes femininas em todo o mundo para discutir a repressão contra os manifestantes no Irã.

“Elas não vão mais tolerar a visão do regime sobre o papel das mulheres na sociedade ou como as mulheres devem se vestir e se comportar. Nelas vemos nossa humanidade. Temos a obrigação moral de apoiá-las”, disse a ministra canadense das Relações Exteriores.

As ministras abordarão a agitação desencadeada pela morte de Mahsa Amini no mês passado no Irã enquanto estava sob custódia policial. O incidente provocou um dos maiores obstáculos à República Islâmica desde a revolução de 1979.

O encontro “mostra solidariedade global pelas mulheres iranianas e diz ao regime iraniano que o mundo está assistindo”, disse ela. “Temos a responsabilidade de ajudar a amplificar as vozes das mulheres no Irã.”

As ministras das Relações Exteriores de Alemanha, Chile, Nova Zelândia e Noruega devem participar, enquanto outra autoridade francesa deve representar Paris, de acordo com uma fonte do governo canadense.

Outros países que devem participar são Albânia, Andorra, República Centro-Africana, Chile, Islândia, Kosovo, Líbia, Liechtenstein, Mongólia e Panamá.

As autoridades femininas devem ouvir mulheres de origem iraniana e discutir maneiras de coordenar os esforços de apoio.

A atual agitação no Irã levantou preocupações internacionais à medida que as negociações sobre as capacidades nucleares do Irã estão paralisadas e Teerã se move para apoiar a invasão russa na Ucrânia.

O Irã acusou os países que apoiam os manifestantes de se intrometerem em seus assuntos internos, enquanto seus líderes religiosos tentaram retratar a agitação como parte de uma revolta separatista da minoria curda que ameaça a unidade do país.

 

REUTERS