O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) acatou um pedido da coligação do presidente Jair Bolsonaro (PL) e mandou o PT excluir uma propaganda eleitoral que atribui ao atual governo o aumento de casos de violência contra a mulher. A decisão é da ministra Cármen Lúcia e dá 24 horas para que o conteúdo seja retirado do YouTube.

Na propaganda, o PT exibe manchetes de jornais e colunas opinativas para sustentar que é necessário mais investimento na área a fim de combater a violência contra a mulher. E liga Bolsonaro ao aumento dos casos de violência de gênero e estupro.

Na avaliação da ministra, o vídeo “tece críticas desabonadoras ao atual presidente da República, candidato à reeleição”, o que configura conteúdo negativo. No entanto, por definição legal, o meio pode apenas ser usado para “promover ou beneficiar candidatos e suas agremiações”.

Na avaliação da ministra, o vídeo “tece críticas desabonadoras ao atual presidente da República, candidato à reeleição”, o que configura conteúdo negativo. No entanto, por definição legal, o meio pode apenas ser usado para “promover ou beneficiar candidatos e suas agremiações”.

 

r7