Minisitro das Comunicações Fabio farias e do corrdenador da campanha do presidente Jair Bolsonaro Fabio Wanjngaten falam sobre possiveis irrewgularidades nas insercoões do horario eleitoral gratuito em rádios, nas eleicoes de 2022 | Sérgio Lima/Poder360 00.ago.2022

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, disse que a campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) enviará nesta 3ª feira (25.out.2022) ao ministro Alexandre de Moraes, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), documentos que comprovem que rádios deixaram de veicular inserções do chefe do Executivo.

“Serão entregues amanhã. De todas as rádios”, disse Faria ao Poder360. Moraes deu 24 horas para a campanha de Bolsonaro apresentar provas de que rádios deixaram de veicular suas inserções. O ministro disse que a acusação é “grave” e que abrirá uma investigação contra o presidente se a suposta “fraude eleitoral” não for demonstrada.

Advogados de Bolsonaro ajuizaram ação alegando que emissoras de rádio veicularam menos inserções do presidente que de seu adversário, o candidato do PT ao Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a equipe jurídica, inúmeras rádios não veiculam adequadamente as inserções determinadas pela Justiça Eleitoral. Os advogados do chefe do Executivo classificam o fato como “gravíssimo, capaz de efetivamente assentar a ilegitimidade do pleito, se não corrigido imediatamente, expor extrema situação de ilegalidade perpetrada em benefício da campanha adversária e requestar providências urgentes”.

Bolsonaro recorreu ao TSE e pediu “imediata suspensão da propaganda de rádio” da coligação de Lula. Leia o requerimento (403 KB).

A ação protocolada nesta 2ª feira se refere à semana de 7 a 14 de outubro e indica suposta fraude eleitoral com possível caracterização de abuso dos meios de comunicação em rádio. Segundo os advogados, na região Nordeste do Brasil, foram veiculados 12.084 inserções de 30 segundos a mais para a campanha do ex-presidente Lula.

Em pronunciamento a jornalistas no início da noite desta 2ª feira (assista ao final do texto), o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o chefe de comunicação da campanha do presidente, Fabio Wajngarten, disseram que 154.085 inserções de rádio de Bolsonaro deixaram de ser veiculadas no Brasil no período de 7 a 21 de outubro.

Eis o que pede a campanha do presidente:

Audiency Brasil produziu a auditoria. A empresa de tecnologia de Santa Catarina foi responsável por elaborar o documento, segundo o requerimento enviado pela campanha ao TSE.

Em conversa com jornalistas, Wajngarten disse que duas empresas haviam sido selecionadas para realizar a auditoria, mas que apenas uma foi formalmente contratada. Consta só o da Audiency Brasil no requerimento.

Poder 360