Reuters

O grupo militante Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque a um santuário muçulmano xiita no Irã nessa quarta-feira (26). O ataque, que matou 15 pessoas, aumentou as tensões no  país que sofre com uma onda de protestos,  provocando alertas sobre possível resposta do governo de Teerã.

Autoridades iranianas disseram que prenderam o atirador, que fez o ataque ao santuário Shah Cheragh, na cidade de Shiraz. A mídia estatal culpou os “takfiri terroristas” – rótulo que Teerã usa para militantes muçulmanos sunitas radicais como o Estado Islâmico.

O grupo já reivindicou ataques anteriores no Irã, incluindo dois atentados em 2017, que atingiram o Parlamento do Irã e o túmulo do fundador da República Islâmica, o aiatolá Ruhollah Khomeini.

O assassinato de peregrinos xiitas na quarta-feira ocorreu no mesmo dia em que as forças de segurança iranianas entraram em confronto com manifestantes, marcando os 40 dias da morte, sob custódia policial, de Mahsa Amini, mulher curda de 22 anos.

O ministro do Interior, Ahmad Vahidi, atribuiu aos protestos a preparação do terreno para o ataque de Shiraz. O presidente Ebrahim Raisi disse que o Irã responderia, segundo a imprensa estatal.

“A experiência mostra que os inimigos do Irã, depois de não conseguirem criar divisão nas fileiras unidas da nação, se vingam por meio da violência e do terror”, disse Raisi, antes de o Estado Islâmico reivindicar a autoria do ataque.

“Esse crime definitivamente não ficará sem resposta, e as forças de segurança e de aplicação da lei ensinarão uma lição àqueles que planejaram e executaram o ataque”.

A agência de notícias semioficial Tasnim informou que o agressor atirou em um funcionário na entrada do santuário, antes que seu rifle travasse e ele fosse perseguido por populares.

Ele conseguiu consertar a arma e abriu fogo contra seus perseguidores, antes de entrar em um pátio e atirar em adoradores. Várias mulheres e crianças estavam entre os mortos, diz a agência.

Uma testemunha em Shah Cheragh disse ao canal de televisão estatal: “Ouvi sons de tiros depois de orarmos. Fomos para uma sala ao lado do santuário, esse bandido veio e disparou uma saraivada de tiros. Então [a bala] atingiu meu braço e minha perna, as costas da minha esposa, mas graças a Deus meu filho não foi atingido, ele tem sete anos.”

O ataque ocorreu no dia em que as forças de segurança iranianas abriram fogo contra pessoas que se reuniram na cidade curda de Saqez, a mesma de Mahsa Amini, segundo testemunha.

“A tropa de choque atirou em pessoas que se reuniram no cemitério para a cerimônia em memória de Mahsa. Dezenas foram presas”, acrescentou a testemunha.

A agência de notícias semioficial do Irã Isna informou que cerca de 10 mil pessoas se reuniram no cemitério, e a internet foi interrompida após confrontos entre forças de segurança e pessoas no local.

Vídeos nas redes sociais mostraram milhares de iranianos marchando em direção ao cemitério onde Amini está enterrada, apesar da forte presença da polícia de choque. Ativistas convocaram protestos em todo o país para marcar 40 dias desde que ela morreu, depois de ser detida por “trajes impróprios”.

As manifestações desencadeadas pela morte da jovem de 22 anos enquanto estava sob custódia da polícia da moralidade do Irã em 16 de setembro, se tornaram um dos maiores desafios ​​à liderança clerical desde a revolução de 1979.

Iranianos saíram às ruas, com alguns pedindo a queda da República Islâmica e cantando “Morte ao [líder supremo aiatolá Ali] Khamenei”.

Uma testemunha afirmou que “homens e mulheres se reuniram em torno do túmulo de Amini, no cemitério de Aichi em Saqez, cantando ‘Mulher, Vida, Liberdade'”. Outra testemunha em Saqez contou que o cemitério estava cheio de integrantes da milícia Basij e da tropa de choque.

“Pessoas de toda a província do Curdistão estão aqui. Estamos todos de luto pela morte de Mahsa juntos.”

Temendo que o aniversário de 40 dias da morte de Amini alimentasse mais protestos violentos, a polícia alertou sua família para não realizar uma procissão, disseram grupos de direitos humanos.

O governo do Curdistão negou qualquer restrição estatal para a realização de cerimônia, acrescentando que “foi decisão de sua família não realizar uma reunião”, segundo a mídia estatal.

Vídeos nas redes sociais mostraram que as forças de segurança bloquearam vias que levam a Saqez, para impedir que pessoas de outras cidades se reunissem no cemitério. A Reuters não pôde verificar a autenticidade dos vídeos.

 

Reuters