Pres. Bolsonaro participa da Cerimônia de Cumprimento aos Oficiais-Generais promovidos acompanhado pela primeira-dama Michelle Bolsonaro ministro da Defesa, Paulo Sérgio, general Braga Netto, comandante do Exercitio general Marco Antônio Freire Gomes e a Brigadeiro Ana Paola. | Sérgio Lima/Poder360 00.set.0000

A afirmação foi dada à jornalista Renata Lo Prete após o debate da Globo entre Bolsonaro e o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva.

“A gente espera que haja serenidade por parte das autoridades de Brasília. Porque eleições se decidem por meio do voto, e aquele que tiver mais votos dentro da urna deve assumir o cargo na data adequada”, disse, naquela ocasião.

Bolsonaro foi questionado sobre o respeito ao resultado porque em diversas ocasiões, nos últimos anos, lançou dúvidas sobre o processo eleitoral – usando informações falsas e boatos já desmentidos pelas autoridades e pela imprensa.

Em entrevista a outros veículos de imprensa na saída dos estúdios Globo, logo em seguida, Bolsonaro elogiou o formato do debate.

Em todos os blocos, os candidatos tiveram que administrar “bancos de tempo” e puderam fazer perguntas diretamente um ao outro – às vezes com tema livre, às vezes com temas escolhidos a cada bloco.

“Primeiramente, parabéns pela Globo pelo formato, pela liberdade que tivemos e também vi imparcialidade. Deu para cada um apresentar suas propostas, tecer, obviamente, críticas ao outro. E recordar a memória de muita gente e fazer lembrar o jovem, que não viveu 2003 e 2016, o que foi o governo Lula e Dilma. A desgraça que foi para o país esse governo em todos os aspectos”, disse.

Na entrevista ao Jornal da Globo, Lula também elogiou o formato, apesar de lamentar a falta de debates sobre propostas. O candidato do PT não deu entrevista aos outros veículos de imprensa na saída.

“As eleições não são para mim, para o meu adversário, é para garantir o regime democrático nesse país e a melhoria da qualidade de vida das pessoas. É assim que as pessoas têm que votar. O Brasil precisa de mais educação, mais emprego, salário, comida, alegria, de menos armas, de mais livros, cultura”, afirmou o petista.

Antes, nas considerações finais do debate, Bolsonaro voltou à pauta de costumes que deu a tônica de sua campanha, e disse que as eleições definirão “se viveremos em liberdade, e se será respeitada a família brasileira”. Também citou aborto, liberação das drogas e defesa da propriedade privada.

g1