IBGE - CURITIBA - 30/07/10 -ECONOMIA - Estoque de PDAs que serão usados no senso 2010. FOTO: PRISCILA FORONE. Agencia de Noticias GAZETA DO POVO.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta semana o 3º balanço da coleta do Censo Demográfico 2022. Desde o início da operação, em 1º de agosto, até o dia 31 de outubro, foram recenseadas 136.022.192 pessoas, em 47.740.071 domicílios no país. Destas, 31,69% estavam na região Nordeste, 38,45% no Sudeste, 13,99% no Sul, 8,88% no Norte e 6,99% no Centro-Oeste. Até o momento, 48,3% da população recenseada eram homens e 51,7% eram mulheres.

Esse total corresponde a 63,77% da população estimada do país. “Fizemos a prorrogação da operação e, até o momento, o cronograma segue mantido”, declarou o gerente técnico do Censo, Luciano Duarte. No hotsite do Censo 2022 é possível acompanhar diariamente o total da população recenseada no país e a evolução dos setores trabalhados por unidades da federação.

O Estado mais adiantado, ou seja, com maior proporção de pessoas recenseadas em relação à população estimada, é o Piauí (86,08%), seguido por Sergipe (83,19%) e Rio Grande do Norte (80,48%). Os menos adiantados são Mato Grosso (42,72%), Amapá (51,47%) e Acre (54,07%).

Considerando os 452.246 setores censitários urbanos e rurais do país, 356.929 estão sendo trabalhados (78,9% do total). O Estado mais adiantado em termos de percentual de setores trabalhados é o Sergipe (95,21%), seguido por Piauí (94,73%) e Rio Grande do Norte (94,36%).

Já Mato Grosso (53,18%), Roraima (66,10%) e Acre (66,47%) têm menor percentual de setores trabalhados.

Além disso, 1.230.778 de indígenas e 1.009.778 quilombolas já foram recenseados.

Acesso aos condomínios

Cerca de 2,33% dos domicílios se recusaram a responder, percentual que se espera ser reduzido até o final da operação, depois de aplicados todos os protocolos de insistência.

Alguns locais estão apresentando uma alta taxa de recusa, como São Paulo, por exemplo, que está em 4,03%. Segundo Duarte, isso tem sido observado principalmente nos condomínios.

“Quando o síndico se recusar expressamente a dar acesso ao recenseador, o IBGE irá entrar com uma ordem de acesso ao condomínio. Se não for cumprida, a Unidade Estadual chamará a polícia para garantir o acesso”, informou. “Seguimos com o trabalho de sensibilização, mas é uma atitude que, se necessário, iremos tomar para garantir o cumprimento da lei”.

Em relação ao tipo de questionário, 88,4% dos domicílios (42.595.922) responderam ao questionário básico e 11,6% (5.560.298) ao ampliado, percentual consistente com a amostra definida pelo Instituto. O tempo mediano de preenchimento tem sido de 5 minutos para o questionário básico e de 15 minutos para o questionário ampliado.

A maior parte dos questionários (99,4%) foi respondida de forma presencial, sendo que 124.241 domicílios optaram por responder pela internet e 144.203 pelo telefone.

Possibilidade de contratações

O Instituto está enfrentando dificuldades relativas à falta de pessoal para atuar como recenseador em determinados locais. Em todo o país, o IBGE conta com 90.552 recenseadores em ação, 49,5% do total de vagas disponíveis.

O Estado com maior deficit de recenseadores é o Mato Grosso, com 37,1% do número de vagas. Já o Piauí está com 64% dos postos ocupados.

Segundo Duarte, além da melhoria na remuneração, já implementada, o IBGE entrou com um pedido de medida provisória para flexibilizar as contratações. Com isso, microempreendedores individuais, aposentados do serviço público, professores da rede pública e ex-agentes de pesquisa e mapeamento do IBGE, que antes eram vedados, poderão atuar como recenseadores.

“Essas medidas não têm efeito imediato, demoram um pouco para surtirem efeito na rede de coleta, mas já estamos avançando na contratação e treinamento em alguns locais”, declarou.

Os recenseadores estarão sempre uniformizados, com o colete do IBGE, boné do Censo, crachá de identificação e o DMC. Além disso, é possível confirmar a identidade do agente do IBGE no site Respondendo ao IBGE ou pelo telefone 0800 721 8181. Ambos constam no crachá do entrevistador, que também traz um QR code que leva à área de identificação no site. Para realizar a confirmação, o cidadão deve fornecer o nome, matrícula ou CPF do recenseador.

Com informações da Agência IBGE.

 

Poder 360