Reprodução

A Tim informou nesta 3ª feira (8.nov.2022) que irá desligar cerca de 4.700 torres de transmissão da Oi, adquiridas na compra dos serviços de telefonia da companhia. Outras 2.500 serão mantidas.

As torres serão desativadas por estarem em uma área de sobreposição, isto é, estão localizadas em locais próximos aos espaços onde as torres de transmissão da Tim estão instaladas, tornando-se, assim, obsoletas. De acordo com a operadora, os equipamentos acoplados nas torres da Oi passarão por uma análise e poderão ser reaproveitados nas linhas de transmissão da Tim.

A operadora também vai desativar os clientes inativos que recebeu da Oi Móvel. Não foi divulgado o número de linhas a serem desligadas, mas a Tim informou que a maior parte dos clientes são adeptos dos planos pré-pago e controle.

A Vivo, que também comprou parte da Oi, já anunciou o desligamento de 3 milhões de usuários inativos. O número equivale a 25% do total de 12 milhões de clientes recebidos pela companhia telefônica.

Os cortes devem seguir os critérios estabelecidos pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Dessa forma, serão desativados os usuários que não fazem ou recebem chamadas, não realizam recargas e/ou não realizam o pagamento do plano.

Compra da Oi

A Tim, a Vivo e a Claro haviam ofertado R$ 15,9 bilhões pela Oi Móvel, dos quais R$ 14,5 bilhões foram pagos no fechamento da transação, o equivalente a 90% do valor total acordado. Os outros 10% – R$ 1,4 bilhão à época do fechamento da operação – ficaram retidos para análise de possíveis compensações de obrigações previstas em contrato.

Em setembro, as 3 operadoras pediram R$ 3,19 bilhões de volta da Oi pelos serviços de telefonia móvel da companhia, alegando ajuste nos preços de compra dos ativos. Esse valor é referente a R$ 1,7 bilhão do que já foi pago e R$ 1,4 bilhão que ficaram retidos.

Além dos R$ 3,19 bilhões, as companhias pediram uma indenização de R$ 353,3 milhões por causa da revisão dos inventários móveis. A Oi discorda dos valores solicitados.

Poder 360