Apoiadores do Lula e Bolsonaro lado a lado na área central de Brasília nos últimos dias de campanha eleitoral de 2022 | Sérgio Lima/Poder360 27.out.2022

Em 2018, quando Bolsonaro venceu a eleição, Bolsa recuou 0,09% e dólar avançou 2,43% no mesmo períodoautorização.

Naquela época, o índice teve leve recuo de 0,09%. Saiu de 85.720 pontos para 85.641 pontos. Sob Lula, o mercado de ações passou de 114.539 pontos para 112.253 pontos. Ou seja, quem investiu em uma melhora na Bolsa com Lula no governo no curtíssimo prazo perdeu dinheiro.

O principal motivo da queda: as declarações de Lula sobre teto de gastos com críticas à “busca por responsabilidade fiscal” desagradaram a Faria Lima.

A Bolsa havia subido 3,16% na última semana, a 1ª pós-Lula eleito. Também na 1ª semana da vitória petista, o dólar havia registrado queda de 4,49%. Tudo (e mais) já foi perdido.

“Nunca vi um mercado tão sensível quanto o nosso. É engraçado que esse mercado não ficou nervoso com 4 anos de Bolsonaro”, disse o petista no fim da tarde de 5ª (10.nov), na saída da sede da equipe de transição. Em seu perfil no Twitter, escreveu: “Podem ficar tranquilos”. 

A equipe de transição de Lula tem nomes ligados ao governo Dilma, como o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e Nelson Barbosa. Há outros 2 mais ligados ao vice-presidente eleito Geraldo Alckmin, como André Lara Resende e Persio Arida –nomes que defendem maior liberalização da economia.

Ainda não está claro qual a linha de governo a ser perseguida por Lula. Até o momento, a equipe de transição busca uma forma de alterar a Constituição para furar o teto de gastos públicos. O objetivo é pagar as promessas de campanha, como a manutenção do Auxílio Brasil de R$ 600 e mais R$ 150 por cada criança menor de 6 anos. Além disso, Lula quer reajustar o salário mínimo acima da inflação e fazer mais investimentos.

Lula diz que tem responsabilidade fiscal. Alckmin reforça. Mas até agora, nenhuma medida para compensar o furo no teto foi sequer citada como forma de amenizar as despesas com auxílios e reajustes acima da inflação.

O resultado disso é que o Ibovespa se descolou dos principais índices internacionais. Bolsas norte-americanas subiram com a taxa de inflação dos Estados Unidos melhor do que o esperado –o que pode fazer com que a autoridade monetária local diminua o ritmo de alta dos juros.

DÓLAR PÓS-ELEIÇÕES

O comportamento do dólar comercial também foi ruim nos últimos dias. A moeda dos Estados Unidos subiu de R$ 3,65 para R$ 3,74 duas semanas depois das eleições de 2018. Depois da vitória de Lula, saltou 2,43%, de R$ 5,30 para R$ 5,33. Mas havia chegado a R$ 5,08 com uma perspectiva melhor sobre o governo dele.

Em sentido inverso, a eleição de Lula atraiu dinheiro de investidores internacionais que aprovam a volta do petista para o Palácio do Planalto. Há uma expectativa de que ele possa melhorar a imagem do Brasil no exterior, principalmente na área ambiental. Estrangeiros colocaram R$ 2,2 bilhões na Bolsa neste mês até 4ª feira (9.nov), último dado disponível.

LUA DE MEL

A reação do mercado mostra que a comunicação de Lula com os investidores não está funcionando. Houve uma lua de mel na 1ª semana, mas agora parece que tudo minguou. O discurso do petista na 5ª (10.nov) a congressistas aliados, em Brasília, mostrou um governo propenso a repetir políticas fiscais que deram errado no passado. Os investidores precificaram imediatamente e a Bolsa caiu.

Para piorar o clima na Faria Lima, o presidente eleito disse na 4ª (9.nov) que só deve anunciar ministros a partir de 19 de novembro –quando retornar das viagens ao Egito e a Portugal.

Se nada melhorar nessa articulação, o dólar tende a continuar instável.

Poder 360