O blogueiro Allan dos Santos Imagem: Terça Livre

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), cancelou o passaporte do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos. A informação é da coluna de Rodrigo Rangel, do site Metrópoles.

Segundo o site, a decisão de Moraes afeta a situação de Allan nos Estados Unidos, onde mora desde 2020. Agora, o blogueiro não poderia mais se mudar ou visitar outros países saindo do solo norte-americano e ficaria como indocumentado. Moraes teria comunicado hoje sua ordem ao Itamaraty, que foi repassada para a embaixada brasileira nos Estados Unidos.

Embora participe de manifestações e faça ataques ao STF estando nos Estados Unidos, Allan é alvo de investigações no Brasil e está foragido. Ele teria de ser extraditado para responder pelos crimes no Brasil.

O ministro do Supremo já pediu a inclusão do nome de Allan dos Santos na lista de procurados pela Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), o que ainda não ocorreu. Sem esse requisito, os Estados Unidos não podem emitir o alerta máximo que faz com que autoridades busquem os investigados e façam a extradição.

Allan teve sua prisão preventiva decretada por Moraes em outubro de 2021, alvo de duas investigações pelo STF. Dono do canal Terça Livre, ele era investigado pela Polícia Federal no caso das milícias digitais, aberto em julho do mesmo ano para desmontar um grupo organizado que atenta contra a democracia.

No fim de junho deste ano, o blogueiro foi condenado a um ano e sete meses de detenção, em regime inicial aberto, pelo TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul) por calúnia contra a cineasta Estella Renner, ligada à produtora Maria Farinha Filmes.

A condenação foi determinada por conta de um vídeo publicado por Santos no YouTube, em setembro de 2017, no qual ele cita a profissional como responsável por “destruir a família e a vida de nossas criancinhas”.

Moraes também ordenou o bloqueio das contas bancárias do influenciador e a suspensão de pagamentos aos canais deles em plataformas como YouTube, Twitch, Twitter, Instagram e Facebook.

Mesmo banido de criar perfis, Allan contraria a decisão e segue com perfis em diferentes plataformas. No início de maio, ele teve contas removidas do YouTube, Twitter e da Twitch, mas divulgava contas no Instagram e no Telegram, ativas desde março.

UOL