Comissão aprova 7 indicados para embaixadas e organizações internacionais

A Comissão de Relações Exteriores sabatinou nesta terça-feira (22) cinco indicados a postos diplomáticos: Márcio do Nascimento para assumir o cargo de Embaixador do Brasil na Jordânia; Fernando José de Abreu, na Tunísia; Evaldo Freire, na Mauritânia; Rubem Amaral, no Sudão; e Leonardo Monteiro, na Guiné Equatorial. Também foram aprovados os nomes de Paula de Souza para representar o Brasil na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e Carla Carneiro na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

 

A COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES APROVOU POR UNANIMIDADE A INDICAÇÃO DE CINCO EMBAIXADORES DO BRASIL. TAMBÉM FORAM APROVADOS POR TODOS OS SENADORES DA COMISSÃO DOIS NOMES PARA REPRESENTAR O BRASIL EM ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS. A REPÓRTER MARCELLA CUNHA TEM OS DETALHES

Após sabatina, a Comissão de Relações Exteriores aprovou a indicação de Paula de Souza para representar o Brasil na Unesco, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Paula é a atual diretora do Instituto Guimarães Rosa.

Ela se comprometeu a promover a língua portuguesa como ferramenta essencial à política externa brasileira. Para a representação permanente do Brasil na FAO, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, foi aprovado o nome de Carla Carneiro. Ela destacou que uma das metas é aumentar o volume de captação de recursos de fundos climáticos por meio do Fida, o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola. E incorporar o projeto do BNDES que vai atender 250 mil famílias do semiárido do Nordeste brasileiro.

O objetivo é transformar os sistemas produtivos dos agricultores familiares para aumentar sua produtividade no semiário, região considerada priotária para conter o avanço da fome. Carla ressaltou que o mundo enfrenta hoje um desafio de insegurança alimentar em decorrência de fatores como pós-Covid, mudanças climáticas e a guerra na Ucrânia.   Embora o Brasil seja uma referência mundial em politicas públicas de transferência de renda e de segurança alimentar, nós enfrentamos nesse momento o desafio da insegurança alimentar, que atinge cerca de 30 milhões de brasileiros. Importa aqui dizer que a situação do Brasil não esta isolada, muito pelo contrário, está em um contexto de crise mundial de sistemas alimentares.

Doze porcento da população mundial, são 980 milhões de pessoas ao redor do mundo. A Comissão de Relações Exteriores também aprovou a indicação de Márcio do Nascimento para assumir o cargo de Embaixador do Brasil na Jordânia. Ele destacou o papel estratégico do país como negociador no conflito entre Israel e Palestina e defendeu a ênfase na cooperação nas áreas de defesa e inteligência com o Brasil.

Os dois países também são importantes parceiros comerciais: enquanto a Jordânia é o sétimo exportador de fertilizantes do mundo, o Brasil é um dos principais exportadores de frango e carne para o país árabe. É o que destacou o  senador Carlos Portinho, do PL do Rio de Janeiro.

Segundo informativo do Itamaraty, o ano de 2021 foi excepcional para o comércio bilateral, com fluxo de 424 milhões de dólares, o maior patamar da história, sendo 294 milhões em exportações brasileiras, um crescimento de 20%.

O resultado foi o segundo maior da séie histórica, porém a pauta é pouco diversificada. Seis produtos compõe 95% da pauta brasileira ao passo que 98% das exportações jordanianas, são compostas por fertilizantes, algo muito caro, valioso, importante nesse momento.

Também foram sabatinadas e aprovadas quatro chefias de missões diplomáticas brasileiras na África: Fernando José de Abreu, na Tunísia; Evaldo Freire, na Mauritânia; Rubem Amaral, no Sudão; e Leonardo Monteiro, na Guiné Equatorial. Os nomes ainda deverão passar pela deliberação do plenário. Da Rádio Senado, Marcella Cunha

 

Fone: Rádio Senado