Foto: Sergio Lima/Poder 360

A economia do Brasil cairá de 2,8% em 2022 para 1,2% no próximo ano, aponta projeção da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgada nesta terça-feira (22).

Em setembro, a entidade previu crescimento econômico de 2,5% para este ano e de 0,8% para 2023. Apesar da pequena melhora, a organização afirma que o desenvolvimento do setor será menor no 1º ano do novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Segundo relatório da OCDE, o cenário global deteriorado, a política fiscal mais restritiva e o efeito do aumento nas taxas de juros são alguns dos fatores responsáveis pela desaceleração do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2,8% em 2022 para 1,2% em 2023, ante uma leve melhora para 1,4% em 2024.

Além disso, a alta da inflação, o crédito mais caro e a estabilização do crescimento real do salário também são influenciadores para os valores da estimativa.

Espera-se que a política monetária permaneça restritiva, com a taxa de juros atual de 13,75% inalterada até 2023. De acordo com o texto, a taxa deve manter-se nesse nível até que seja registrado uma trajetória de quedas da inflação.

“Incertezas em torno da futura política fiscal podem desestabilizar os mercados financeiros, exigindo que o Banco Central mantenha as taxas de juro altas por mais tempo, o que pesaria sobre o crescimento”, afirma a OCDE.

A entidade diz, ainda, ser necessária uma revisão da capacidade fiscal, uma vez que cumprir com as atuais regras está se tornando “cada vez mais difícil” por conta do conflito entre um teto que “limita” o aumento dos gastos governamentais e uma “forte rigidez” orçamentária. Be como as despesas obrigatórias -que representam 92% do orçamento.

“Reformas para limitar as despesas obrigatórias, juntamente com um arcabouço fiscal mais sólido, poderiam proporcionar algum alívio para a política fiscal”, diz.

Poder 360