Reprodução

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral Ricardo Lewandowski deu três dias para que o presidente eleito  Luiz Inácio Lula da Silva (PT) explique R$ 620 mil gastos durante a campanha nas eleições de 2022 e que, segundo o magistrado, contém irregularidades.

Foram apontadas pela área técnica do Tribunal falhas em aproximadamente oito documentos apresentados pela campanha do petista. Eles fizeram a solicitação de que informações adicionais sejam apresentadas ao TSE.

De acordo com o documento, faltam dados, por exemplo, sobre uma despesa de R$ 196 mil com a impressão de material de campanha do segundo turno das eleições.

“Trata-se de despesas que, pelas suas características e pela data em que foram contratadas, necessitam de comprovação adicional além da documentação fiscal, sem a qual não é possível averiguar a efetiva prestação do serviço”, dizem os técnicos do Tribunal.

Também foi apontado pela equipe erros na prestação de R$ 146 mil gastos com uma empresa que imprime adesivos.

Veja quais foram os pontos questionados:

  • R$ 24.118,41 em passagens aéreas. Valor teria sido duplicado na prestação de contas;
  • R$ 3.830,47 em diárias pagas. Também teria sido verificado que houve duplicidade na prestação;
  • R$ 70.000 usados para impulsionar conteúdo considerado irregular;
  • R$ 196.110 gastos com a impressão de adesivos. Despesa não teria sido devidamente comprovado; sobras de gasto envolvendo R$ 121 mil não teriam sido devidamente recolhidas;
  • R$ 146 mil referentes a impressão de adesivos, material gráfico e placas. Valor não teria sido devidamente registrado na prestação;
  • R$ 57.583,60 em doações de pessoas físicas. O uso do valor não teria sido devidamente comprovado;
  • R$ 805 em doação de origem não identificada.

“Registra-se que o candidato deve encaminhar nova prestação de contas pelo Sistema de Prestação de Contas de Campanha Eleitoral (SPCE-2022), com status de prestação de contas final de 2º turno retificadora, contendo as correções relativas aos apontamentos desta informação, bem como apresentar mídia eletrônica com os documentos e as manifestações solicitadas”, conclui a área técnica do TSE.

A campanha de Lula afirmou em nota que “as dúvidas do Tribunal serão respondidas no prazo dentro do processo”.

 

IG