Com razão, Vasco e Ramón Diaz ficam na bronca com arbitragem de empate com o Bangu

Depois do empate com o Bangu, o Vasco enviou um ofício à Ferj cobrando esclarecimentos sobre a atuação do árbitro Tarcizo Pinheiro Caetano

O Vasco ficou na bronca com a arbitragem do empate em 2 a 2 com o Bangu, neste domingo (28), no Mané Garrincha, pelo Campeonato Carioca. Logo depois da partida, o clube enviou um ofício à Ferj pedindo que o árbitro Tarcizo Pinheiro Caetano não apite mais as partidas do time no Estadual. Além disso, o técnico Ramón Diaz também disse ter achado “estranho” a escolha do juiz da partida e disse que Tarcizo “não é profissional”.

A principal reclamação do Vasco é em relação ao critério adotado pelo árbitro na marcação de faltas e na distribuição dos cartões durante a partida desta tarde. O Cruz-Maltino teve o volante Jair exageradamente expulso logo aos 4′ do primeiro tempo, após uma disputa em que, após acertar a bola, também ter acertado o jogador adversário. O jogador foi expulso com o cartão vermelho direto. Vale ressaltar que o Campeonato Carioca só tem VAR nos clássicos e a partir das semi-finais, em um decisão que foi referendada pelos clubes.

O Vasco também reclamou de entradas duras sofridas por Paulinho, Erick Marcus, Vegetti e Zé Gabriel. No ofício, o clube classificou as faltas como “agressões”. O Cruz-Maltino também se mostrou indignado com o cartão amarelo sofrido por João Victor. A diretoria argumenta que não houve falta no lance.

“Pelo que se observou, as decisões do árbitro de campo eram desprovidas de qualquer técnica, tão simples quanto: ações do Vasco, falta; ações do Bangu, segue o jogo”, diz um trecho do ofício eviado pelo Vasco à Ferj.

 

O que o Vasco pediu à Ferj

  • Esclarecimentos ainda hoje (domingo) sobre as decisões da arbitragem;
  • Que o árbitro da partida, Tarcizo Pinheiro Caetano, nunca mais companha a equipe de arbitragem em jogos do Vasco da Gama SAF, em qualquer função e/ou competição.

Ramón Diaz também reclama da arbitragem

A comissão técnica do Vasco também ficou muito irritada com a arbitragem do empate com o Bangu. Assim que o árbitro marcou o pênalti de Medel no fim do jogo, o auxilar Emiliano Diaz deixou o campo e não viu os minutos finais da partida. Depois, na coletiva de imprensa, foi a vez de Ramón Diaz reclamar da atuação do juiz.

– É uma pena que, em partidas importantes para as equipes grandes, que têm que se classificar e jogando da melhor maneira, tenhamos esse tipo de arbitragem. Ele não é profissional. Me parece estranho que a federação mande esse tipo de árbitro. Se ele tivesse grande nível, este tipo de situação não aconteceria. A gente também não teve o VAR e aí acontece o que aconteceu com o Jair. Foi uma jogada forte, mas não era para expulsão. O Vasco criou muitas situações, fizemos um bom jogo e o time está crescendo. Vamos continuar trabalhando – afirmou Ramón Diaz.

Ramón Diaz elogia atuação do Vasco

Sobre o “campo e bola”, que acabou ficando em segundo plano depois da partida, o técnico Ramón Diaz elogiou a atuação do Vasco, que pouco conseguiu criar, principalmente no primeiro tempo. Para o treinador, o time teve uma atuação sólida contra o Bangu, que ainda não havia pontuado na Taça Guanabara.

– Nós estamos armando um equipe que seja sólido. E hoje se demonstrou que estamos em um bom caminho. A equipe está crescendo, o clube também. Os torcedores estão acompanhando. Hoje jogamos muito bem no começo, com muita pressão. Isso é o que estamos tentando, muita pressão, com jogadores que sejam bem dinâmicos. E eu acho que disputamos uma boa partida também com dez. Tivemos que mudar algo taticamente. Mas o equipe respondeu. Sempre tivemos muitas chances. E isso é o importante – disse Ramón.

Com o empate com o Bangu, o Vasco desperdiçou a oportunidade de retomar a liderança da Taça Guanabara. Agora, o clube é o terceiro colocado, com oito pontos, dois a menos que o Fluminense. Na próxima quarta-feira (31), o Cruz-Maltino volta a campo contra o Nova Iguaçu, no Parque dos Sabiás, em Uberlândia, em mais um jogo realizado fora do Rio de Janeiro.

Por Trivela