Cidade de Conde, no Litoral Sul, pode ter 12% do território ‘engolido’ pelo mar, aponta estudo da UFPB

A cidade de Conde, no Litoral Sul paraibano, pode ter 12% do território ‘engolido’ pelo mar. É o que aponta estudo realizado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

De acordo com o levantamento, a área em questão no município corre o risco de ser encoberto por água até 2042. A cidade é conhecida por receber turistas em praias como Tambaba, Coqueirinho e Tabatinga.

As principais causas para esse cenário são o aumento do nível do mar e a intensificação da erosão na zona costeira da cidade. O estudo foi publicado na revista científica Science of The Total Environment, com base em dados dos últimos 37 anos. Diferentes cenários estipulam o aumento do nível do mar entre 1, 2, 5 e 10 metros nos próximos 18 anos.

Imagens de satélite obtidas durante o período de pesquisa mostram que praias como Praia do Amor, Jacumã, Carapibus (ao norte), e Coqueirinho, Arapuca, e Tambaba (ao sul) perderam aproximadamente 27 centímetros de território anualmente desde 1985, totalizando cerca de nove metros de perda territorial desde o início do estudo.

De acordo com o estudo, essas mesmas praias continuarão sujeitas a forte erosão se o aumento do nível do mar persistir. O estudo apresenta estimativas da quantidade de território que poderia ser perdida com diferentes aumentos no nível do mar, destacando os seguintes cenários:

1 metro: Afetaria 0,21% da bacia de estudo, equivalente a 0,36 km²;

2 metros: Ampliaria a área submersa para 1,45 km², representando 0,84% da bacia;

5 metros: Impactaria aproximadamente 3,79% da bacia, correspondendo a 6,55 km²;

10 metros: 11,6% da bacia, ou seja, 20,07 km², estariam em risco de inundação.

— Essa elevação pode acontecer devido ao derretimento das calotas polares e glaciares, além da expansão térmica dos oceanos por causa do aquecimento global. Estes fatores são amplamente impulsionados pelas emissões de gases de efeito estufa resultantes de atividades humanas — explica o professor Celso Santos, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental (Deca) da UFPB, e um dos autores do estudo.

O estudo destaca que além da perda de território, a subida do nível do mar pode acarretar intrusões de água salgada em lençóis freáticos, impactar ecossistemas costeiros e marinhos, aumentar o risco de inundações e tempestades costeiras, além de deslocar comunidades costeiras.

G1