Com Castelão lotado, Pikachu e argentinos comandam Fortaleza em amasso no Boca Juniors

Torcida no Castelão presenciou a história: Fortaleza bate Boca Juniors por 4 a 2 pela Sul-Americana

Pouquíssimos clubes brasileiros podem se orgulhar do que o Fortaleza fez na noite desta quinta-feira (25) contra o gigante Boca Juniors. Pela 3ª rodada da fase de grupos da Copa Sul-Americana, o Leão do Pici amassou os argentinos, em especial no segundo tempo, com um show da torcida, de Yago Pikachu e dos hermanos Martín Lucero e Tomás Pochettino, vencendo por 4 a 2. Nem o péssimo gramado do Castelão impediu o baile.

Incrivelmente, a equipe de Juan Pablo Vojvoda chegou para etapa final após um primeiro tempo que terminou em baixa. O gol cedo de Lucero, apenas com quatro minutos deixado na cara do gol por Pochettino, fez o time baixar a intensidade, e o Boca empatou e poderia até ter virado. Provavelmente, o técnico argentino deve ter dado uma dura daquelas para tudo mudar a partir do intervalo.

O segundo tempo, em especial os 20 primeiros minutos, foram de um lado só. Com o 1 a 1 no placar, o clube cearense começou amassando e já retomou a vantagem no placar com uma dúzia no relógio. Em falta perfeita cobrada por Pochettino, o garçom de hoje, Lucero desviou de cabeça para superar Sergio Romero pela segunda vez. El Gato chegou aos 11 tentos na temporada.

Aos nove, o mesmo Pochettino deu um lançamento perfeito para deixar Pikachu na cara do gol. Na saída do “Chiquito” Romero, deu um toque mortal. Ainda deu tempo do ponta direita completar com o peito um chute desviado de Imanol Machuca.

No fim, com uma pressão e encontrando mais espaços, o Boca diminuiu em bomba de Kevin Zenón, que também contou com uma ajudinha de João Ricardo.

Parte desse baile, além do mérito enorme do Fortaleza, foram as mudanças do técnico Diego Martínez. Em comparação ao clássico contra o River Plate no último final de semana, pela Copa da Liga Argentina, foram seis trocas, incluindo do artilheiro Edinson Cavani, poupado.

Alternância de controle marca 1º tempo

Foram 45 minutos iniciais interessantes no Castelão. O Fortaleza, empurrado pela torcida, não deixou o adversário jogar com uma pressão sufocante. O gol não foi por acaso, já que antes mesmo de Lucero balançar as redes os cearenses tinham roubado duas bolas no campo de ataque e finalizado. Na primeira, o próprio centroavante tentou uma cobertura que saiu torta. Na sequência, Pikachu aproveitou vacilo de Cristian Medina e bateu cruzado para fora.

Aos poucos, o lado visitante foi se adaptando ao adversário e também ao gramado. O Boca foi diminuindo o ritmo do rival com a bola e passou a melhorar. Assim vem o empate, além de chegada perigosíssima de Frank Fabra, em escapada à esquerda, onde chegou batendo na área e quase virou. Também teve outra tentativa, dessa vez com Marcelo Saracchi, impedido, ocupando o corredor esquerdo. Por lá, cruzou rasteiro e Langoni furou no momento que poderia ter cravado.

O Leão do Pici até voltou a atacar. Pikachu, por exemplo, quase fez um gol de placar ao receber cruzamento de Pochettino, dar um chapéu e finalizar em cima de Sergio Romero. Antes dos 40, o atacante pela direita assustou em batida cruzada.

Vale citar que Vojvoda precisou mudar a defesa com apenas 22 minutos, quando Tomás Cardona sentiu e foi substituído por Titi.

Fortaleza sobra na etapa final, apesar de fim caótico

O início perfeito do Leão pareceu com aqueles 15 primeiros minutos do primeiro tempo. Intenso e, principalmente, forçando erros do rival. Antes mesmo de retomar a vantagem, Pikachu roubou uma e arriscou de longe, vendo a bola bater na rede pelo lado de fora. Depois, Zé Welison arriscou de longe e Romero fez a única defesa importante da noite.

O Boca até colocou alguns dos titulares após o quarto gol, reteve mais a bola no fim e dá para dizer que melhorou. Antes do segundo gol argentino, João Ricardo uma grande intervenção, quando Pol Fernández bateu de longe, o goleiro tocou e a bola explodiu no travessão.

A partida ficou um tanto caótica no fim, e até o quinto do Leão se aproximou com Bruno Pacheco, que arrancou sozinho na esquerda, mas nem cruzou, nem chutou, e Romero ficou com a bola. Moisés também tentou em finalização no meio do gol. O jogo finalmente acabou após seis de acréscimos.

Leão tem vantagem confortável no grupo D da Sul-Americana

Com a vitória de hoje, o time cearense chegou aos nove pontos e nove de saldo, enquanto o Boca tem apenas quatro de pontuação e saldo negativo de um. Números que podem ser essenciais para definir quem vai direto para as oitavas de final ou irá aos playoffs.

Abaixo da dupla está o Trinidense, que conquistou na última terça (23) a primeira vitória na Sul-Americana frente ao lanterna Nacional Potosí, apenas com um ponto.

Por Trivela