O governo federal gastou 77,7% dos recursos anunciados para o enfrentamento ao novo coronavírus. Dos R$ 587,46 bilhões autorizados desde o início da pandemia, foram efetivamente pagos R$ 456,84 bilhões.

Os dados foram divulgados pela Conof (Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira) da Câmara dos Deputados. Os números são relacionados as despesas executadas até o dia 20 de outubro.
O maior volume liberado foi para o pagamento do auxílio emergencial, benefício destinado a trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais e desempregados. O valor começou a ser pago em abril em três parcelas no valor de R$ 600. Em junho, foi prorrogado por mais duas parcelas de R$ 600.

De acordo com o relatório da Conof, dos R$ 254,24 bilhões previstos, R$ 223,82 bilhões foram entregues – o equivalente a 88%.

Já o auxílio residual de R$ 300, que começou a ser pago em setembro e vai até dezembro, teve execução mais baixa. Dos R$ 67,6 bilhões anunciados, foram pagos R$ 17,53 bilhões, ou 25%.

Os gastos com o auxílio emergencial correspondem a 10 anos de repasses do programa Bolsa Família, com os valores de 2019, aponta o consultor Ricardo Volpe.

*Com informações da Agência Senado