Sempre começo os meus dias com o rádio ligado.

Ouvir rádio para mim se tornou mais que um hábito, algo que já faz parte completamente da minha vida e a cada dia que passa esse amor pelas transmissões de rádio cresce ainda mais.

Cedinho escuto os programas noticiosos, prefiro ouvir as informações do Brasil e do mundo, sintonizo emissoras como a Rádio Bandeirantes, não é a BandNews FM, CBN ou Jovem Pan, para acompanhar as últimas notícias. Gosto da Pan, pois as 05h30 já se inicia o noticioso bastante atualizado. Pouco mais tarde migro para as ondas curtas, onde escuto a Rádio Nacional da Amazônia, sempre na sua frequência tradicional nos 25 metros, com as informações do interior do país e daí por diante vou tentando sintonizar as demais emissoras em ondas curtas e ondas tropicais que ainda operam no país.

A hora de iniciar os trabalhos por aqui chega e o rádio tem que ser desligado, porém, chega no final da tarde onde adoro sentar na calçada com o meu rádio Toshiba e captar as AM mais longínquas. Quando chega a noite vou em busca de emissoras de outros países, como se estivesse viajando ao redor do mundo. Vou girando o botão do Dial, passando pela França, Espanha, Estados Unidos, Irã, Japão e principalmente a China que mantém transmissões em mais de 40 idiomas e dialetos e ocupam as frequências em todas as bandas possíveis.

Mesmo com as interferência eletromagnéticas que surgem devido aos aparelhos eletrônicos que usamos no dia a dia, mas é possível captar muitas emissoras. Geralmente coloco um fio vindo do fundo do quintal e com um pouco da parte desencapada enrolo na antena do aparelho e pronto, a mágica acontece.

O rádio te dá a oportunidade conhecer outras culturas, outros povos, outras línguas e nações. Não perca tempo, pegue o rádio, sintonize alguma frequência de algo distante, feche os olhos e viaje até o lugar.

Feliz Natal amigos (as).

Leonaldo Ferreira estudante de Jornalismo na Universidade Estácio de Sá.