O governo Bolsonaro exonerou na noite desta terça-feira (29) o diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, que foi denunciado por um representante de empresa que relatou ter sido pressionado por ele para pagar propina na compra da vacina Astrazeneca/Oxford. A confirmação foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (30).

O caso foi revelado pelo jornal Folha de São Paulo, que entrevistou Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da empresa Davati Medical Supply. Ele relatou ter recebido a proposta de propina em encontro informal com Roberto Dias, para tratar de compra de 400 milhões de doses da vacina Astrazeneca/Oxford.