Documento sugere que professores tratem o tema com a criança sem o consentimento dos pais

Uma decisão chocou pais e educadores na Escócia. A partir de agora, crianças com mais de 4 anos poderão escolher sua identidade de gênero. Isso significa mudar seu nome na escola sem permissão dos pais.

A conselheira de educação escocesa Shirley-Anne Somerville (foto) disse que estas orientações descrevem “como as escolas podem apoiar os jovens transgêneros, garantindo que os direitos de todos os alunos sejam totalmente respeitados.” Segundo ela, a diretriz apenas “fornece sugestões práticas às escolas. A orientação não é prescritiva e não promove a transição.”

A decisão está em um documento intitulado “Apoiando Alunos Transgêneros nas Escolas”. O texto sugere que os educadores devem aceitar a escolha do nome da criança e sua identidade de gênero. Para os educadores, a decisão do governo escocês não tem precedentes, colocando em risco crianças que ainda não foram capazes de tomar uma decisão tão importante.

A orientação foi dirigida às escolas primárias, para crianças de apenas quatro ou cinco anos, porque “o reconhecimento e o desenvolvimento da identidade de gênero podem ocorrer em uma idade jovem.” A Secretaria também orienta que os professores não questionem uma criança que diz que deseja fazer a transição para viver como um menino ou uma menina – em vez disso, peça seu novo nome e pronomes.