A PF apertou o botão do pânico para uma nova tecnologia que, em seu entendimento, vai facilitar a evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

O relatório final da Operação Kryptos, aquela que prendeu Glaidson dos Santos, o “faraó dos bitcoins”, registra que um dos investigados carregava no bolso uma espécie de pen drive cheio de criptomoedas.

Trata-se das cold wallets, que passam incólumes à fiscalização.

O portador pode viajar o mundo e, nopaísde destino, plugar o dispositivo em um caixa eletrônico convertendo oscriptoativosem dinheiro vivo.

No relatório, a PF traduz: “o portador de uma cold wallet é a sua própria instituição financeira ambulante, com um mero dispositivo eletrônico de armazenamento de dados que pode conter uma quantidade irrestrita de criptoativos”.

 

Do “O Globo”