Defensor assíduo do presidente Jair Bolsonaro (PL) na Paraíba, o deputado estadual Walber Virgolino (Patriota) cuidou de minimizar as declarações do presidente, neste feriado de Carnaval, de que, no estado paraibano, o líder máximo escolhido para comandar o grupo é o deputado federal Wellington Roberto (PL). Segundo o parlamentar a decisão não enfraquece ou divide a direita no estado, já que Bolsonaro deve ter optado pelo parlamentar por uma questão de experiência política.

“Não divide nem enfraquece porque quem vota em Bolsonaro não vota por causa de Wellington Roberto não. Alguns sim, mas a maioria não. Quem vota no presidente não é por causa de Walber não. Como eu disse é um projeto político. Não estamos votando na pessoa de Bolsonaro, mas no projeto. Isso é maior que a gente, que da Paraíba ou de qualquer vaidade. Vou continuar a defender enquanto acertar, mas no momento que errar eu estarei pronto para criticar”, avisou.

E continuou: “Se Bolsonaro conferir esse comando a Wellington é porque sabe que ele é uma pessoa que tem experiência na política, inclusive mais do que eu. Isso não prejudica em nada nossa relação”.

Walber reforçou ainda que está fechado com Bolsonaro seja qual for o cenário por uma questão de pautas convergentes e não por conta das predileções;

“Eu não sou amigo pessoal do presidente Bolsonaro, eu sou eleito. Eu apoio o projeto político porque ele defende as mesmas coisas que eu defendo. Eu não sei se quem vai comandar sou eu ou Wellington Roberto se é outra pessoa isso aí é indiferente para mim. Estou fechado com Bolsonaro, vou continuar a defender as pautas do conservadorismo, sou independente, não sou radical, tenho a forma de fazer política de elogiar quando tem de elogiar e de criticar quando tem de criticar. Mas isso de comandar é indiferente para mim”, emendou.