Não há como negar: as definições nos diferentes contextos partidários e de candidaturas majoritárias ao Governo na Paraíba tendem a ter impacto do tabuleiro político de 2022 de forma especial. E o prazo está se esgotando.

A dados de hoje, ainda sem fechamento de questão, fala-se com mais intensidade, agora de aliança de Efraim Filho com Pedro Cunha Lima, unindo União Brasil (UB) e PSDB, da mesma forma Aguinaldo Ribeiro (PP) com João Azevêdo (PSB).

Quem ganha e quem perde nesta equação de disputa intensa de poder estadual refletindo no municipal, mudando de certa forma o contexto político mexendo na relação de resultado – esta é a maior indagação a se fazer de agora em diante.

Neste universo, contudo, conduz projeto paralelo o jovem executivo Bruno Roberto, pelo Partido Liberal (PL), como opção pública de ação política a defender e reforçar o significado da candidatura do presidente Jair Bolsonaro.

OUTRAS OPÇÕES

Também se faz preciso avaliar o impacto da possível candidatura do procurador e pastor Sérgio Queiroz vocalizando pelo PRTB, a voz dos evangélicos alinhados ao bolsonarismo que muito tem ajudado este segmento.

Há ainda, sem explicitação a citação da candidatura do ex-governador Ricardo Coutinho (PT) e mais recentemente o nome do ex-reitor da UEPB, Rangel Junior, pelo PCdoB dialogando com setores Progressistas.

Em tese, não tem jeito, tudo passa por esse tabuleiro.

 

  • WSCOM